Duas moradoras de Serra Talhada relataram que foram vítimas de golpes financeiros. Os prejuízos de um dos casos por pouco não chegaram a quase R$ 1.500, segundo uma das vítimas.

Este é o caso de uma mulher que não quis se identificar e que fez dois depósitos para não ter o nome negativado: um de R$ 300 e outro de R$ 420. Os golpistas telefonaram e deram um prazo de até o meio-dia para a suposta dívida ser paga.

“Se eu não pagasse, meu nome iria pro SPC e Serasa. Eu fiquei tão aperreada com aquilo que corri e fui pagar”, diz ela. Ainda foi pedido mais um depósito, de R$ 720, mas ela não cedeu.

Veja também:   Leptospirose: casos prováveis sobem 80%

Outra mulher, de identidade também preservada, disse que recentemente recebeu uma ligação com oferta de lista telefônica da cidade. Sem perceber que era um golpe, confirmou dados pessoais e da empresa em que trabalha. “Alguns dias depois, eu recebi um carnê com 12 prestações. Aí, eu liguei e questionei. E ela [a suposta golpista] foi arrogante e disse que eu tinha que pagar. A única forma de me isentar das 12 prestações seria eu depositar 40% do valor para eles”, falou.

A mulher, então, procurou o patrão, contou o que havia acontecido e contrataram um advogado, conseguindo resolução do caso. O delegado Olegário Filho, da Polícia Civil em Serra Talhada, afirma que as vítimas devem prestar queixa. Antes, para verificar se se trata de um golpe ou não “deve pedir que tal pessoa que está prestando o serviço compareça e ofereça o serviço de forma viável”. Ele ainda indica que um dos cuidados mais importantes é com dados pessoais e números de documentos.

Veja também:   Agência do Trabalho com vagas para Serra Talhada

( Do G1)