Fotos: Celso Garcia/Farol de Notícias

Publicado às 13h47 desta quarta-feira (29)

Falta de teste em Serra Talhada, na manhã desta quarta-feira (29), revoltou a população serra-talhadense, principalmente as mais de 100 pessoas que ficaram sem fazer o exame na unidade móvel de testagem da Praça Sérgio Magalhães, após enfrentarem uma longa fila.  O professor e membro do Conselho Municipal de Saúde, Ari Amorim, estava na praça em busca de atendimento, felizmente conseguiu pegar senha, mas lamenta que a Capital do Xaxado esteja com déficit no estoque de testes diante de um momento de alta de casos.

”Cheguei cedo, de 6h40 no Laboratório Paulo Terto, lá já tinha distribuído 100 fichas e não tinha mais, mandaram vir para a praça que seria distribuídas mais fichas. Cheguei umas 7h e a fila só aumentando, o grupo que chegou mais cedo distribuiu umas 35 fichas, quando a equipe chegou umas 8h10, a informação que tivemos foi que teria apenas 60 fichas e tínhamos de 150 a 200 pessoas na fila”, relatou Ari Amorim, continuando:

Veja também:   Duque fala sobre cachês da Festa de Setembro

”Atentamente, entraram em contato com a coordenação para ver a possibilidade de liberação de mais testes, como faço parte do conselho, entrei em contato com Leonardo Carvalho, secretário executivo, ele colocou a situação que o estado não tinha liberado a outra quantidade e nós precisaríamos de uma resposta em relação a isso, mas a resposta foi que só seria as 60, depois acrescentou mais umas 10 ou 15 para os idosos que estavam na fila, outros já tinham ido embora, mais de 100 pessoas voltaram sem serem atendidas” lamentou o professor.

FALTOU ORGANIZAÇÃO

Diante da situação que vivenciou, Ari Amorim sugeriu que a Secretaria de Saúde utilizasse estratégias que evitasse o desgaste das pessoas de enfrentarem filas durante muito tempo sem que houvesse a possibilidade de atender todos os pacientes. Sugeriu um profissional logo cedo para organizar a fila e distribuir as senhas e se prevenirem para evitar a falta de testes.

Veja também:   Bandidos assaltam idoso em ST e fogem para o cemitério

”É importante ter uma equipe que organize a questão das filas e antes mesmo de começar já tenha alguém organizando muito mais cedo para poder ordenar melhor e dizer a quantidade que terá quando o pessoal chega para se não tiver já voltar para casa. A secretaria, o conselho, precisa se prevenir disso porque depois da festa aumentou mais ainda”, disse, continuando:

”O atendimento estava ocorrendo, o pessoal trabalhando adequadamente, Leonardo foi muito atento, correu para a coisa acontecer, mas se o estado não está trazendo esses testes para cá a gente precisa cobrar do estado. Se está precisando de 500, peçam 2 mil porque vai ter mais pessoas para testar e as que vêm de fora aproveitam para testar também e não pode proibir porque o SUS é nacional”.

Veja também:   Carbono, micróbios e água: veja o que já achamos no planeta Marte

Ainda em conversa com o Farol, Ari relatou que presenciou uma jovem mãe, com idade entre 28 a 30 anos, que estava com a filhinha, chegou a passar mal na fila devido ao sol. O Samu foi acionado para prestar o socorro a pedido da equipe de testagem. Depois que foi socorrida, a pedido do Samu, porque ela não estava entre as 60 fichas, fizeram o teste dela.

NOTA DA ASSESSORIA 

”Não faltou teste, a questão é que a demanda está muito grande. O município já solicitou mais mil testes à Secretaria Estadual de Saúde, com chegada prevista para esta quinta-feira (30/06). É importante ressaltar que a testagem não pode ser indiscriminada, existe um protocolo de triagem para pacientes sintomáticos respiratórios, que têm prioridade nesse momento”, disse a Assessoria de Comunicação da Prefeitura, após ser provocada sobre o assunto.