Família denuncia tortura a médico de Serra Talhada

Publicado às 17h desta quinta-feira (9)

Uma família serra-talhadense utilizou as redes sociais para denunciar o que seria um grave caso de tortura em Recife. De acordo com Kátia Nogueira, em contato com o Farol, seu sobrinho teria sido vítima de tortura e maus tratos durante um treinamento de formação de médicos pelo Exército na capital pernambucana. O jovem Felipe Ferraz, 23 anos, se formou em Medicina pela Uninassau em 2022.

De acordo com a família, durante o treinamento, o rapaz teria informado que não estava bem, mas foi impedido de ser socorrido pelos próprios colegas também médicos. Filipe só teria sido atendido após desmaiar e sofrer convulsões quando, finalmente, o levaram para uma UPA onde foi medicado. Felipe Ferraz se encontra internado na UTI neste momento do Hospital Esperança, no bairro Ilha do Leite.

“Após relatar que estava passando muito mal e já ter caído mais de uma vez, sem que pudesse ser socorrido por todos os seus colegas médicos, que também estão na turma de formação, pois quem estava comandando o treinamento disse que os médicos eram eles e que ninguém podia fazer nada, que só depois que desmaiasse. Ou seja, os próprios médicos foram impedidos de exercer o que lhes tem de mais caro na profissão que é o juramento de Hipócrates. Foram impedidos de prestar socorro, crime previsto no Código Penal. Após ele ficar desacordado, inconsciente e sofrer convulsões no batalhão, foi removido para uma UPA”, detalhou a serra-talhadense, Kátia Nogueira.

Veja também:   Comitê dos Jogos de Tóquio-2020 divulga estimativa de custos em até US$ 16,8 bilhões

Família denuncia tortura a médico de Serra Talhada

CONSEQUÊNCIAS GRAVES

Filipe estava com a frequência cardíaca alterada, com dificuldade de respiração, com os sinais vitais comprometidos e diversos machucados nos joelhos e nas pernas. A família imediatamente buscou a transferência do jovem ao Hospital Esperança. A família teme que Filipe tenha complicações renais e cardíacas.

“Os exames demonstraram função renal bem comprometida, correndo o risco de ter que fazer hemodiálise, bem como várias taxas super alteradas, o que comprova falência por exaustão física. Ele teve rabdomiólise – que é a degradação do tecido muscular e libera uma proteína prejudicial no sangue. A sequela mais grave e comum são lesões nos rins, que podem acabar provocando uma insuficiência renal. No entanto, a presença de resíduos no sangue também leva a um aumentos dos níveis de potássio e fósforo no organismo, o que pode acabar afetando o funcionamento do coração”, explicou Kátia ao Farol.

Veja também:   Menino filma abuso, denuncia amigo da família e homem acaba preso

Família denuncia tortura a médico de Serra Talhada

PAIS PREOCUPADOS

Ainda durante o relato, Kátia Nogueira afirmou que está preocupada com outras famílias de médicos recém formados, inclusive de serra-talhadenses, que estejam sujeitos a passar pelo mesmo problema e ainda terem o direito ao socorro médico negado.

“Ao saberem do ocorrido, muitos pais de médicos convocados, que estão na mesma turma, nos contactaram para falar que não estavam tão surpresos, pois os relatos de seus filhos já os assustavam. Eles tinham medo que algo sério pudesse acontecer com eles e não tivessem tempo de fazer nada. Sessão de horrores diária, constrangimento moral e psicológico para uma turma de médicos que dedicaram 6 anos em uma faculdade para salvar vidas e terem suas vidas colocadas em risco por uma instituição que se diz séria e que deveria zelar por eles”, argumentou Nogueira.

Veja também:   Confira as previsões para todos os signos para hoje (23/02)

O OUTRO LADO

O Farol entrou em contato com a assessoria de imprensa do 4º Batalhão Militar do Exército, em Recife, para dar explicações sobre as denúncias de Kátia Nogueira. Até o fechamento desta edição (17h) não tivemos retorno.

Família denuncia tortura a médico de Serra Talhada