Publicado às 05h27 desta segunda-feira (18)

Micaela Barbosa da Silva, 24 anos, entrou em contato com a redação do Farol, nesse domingo (17), para contestar o boletim emitido pela XI Gerência Regional de Saúde (Geres), sobre a morte do seu pai, de 92 anos, como vítima do novo coronavírus.

De acordo com o boletim, o idoso faleceu no Hospital Eduardo Campos (HEC), na madrugada do domingo, mas o teste para doença, dando positivo, foi realizado em 30 de dezembro.

“Eles (do hospital) também disseram pra mim que o teste deu positivo para covid, mas se foi assim, creio que ele pegou no hospital, porque todos da casa tiveram contato com ele e eu estava grávida. Um dia antes do meu filho nascer, tive contato com ele e ninguém sentiu nada. Nós pedimos para fazer um exame particular e não aceitaram”, disse Micaela Barbosa, afirmando que o idoso não saía de casa.

Segundo ela, o pai foi para o hospital com sintomas de gripe e um pouco de falta de ar, mas que sempre acontecia a mesma coisa, quando gripava. “Por conta da idade ele ficava acamado. Meu tio levou ele para o Pronto Socorro, e se ele pegou a doença, foi no hospital”, reforçou Micaela Barbosa, acreditando que o pai teve uma parada cardiorrespiratória.