Da Metrópoles

A ESPN e o comentarista Gian Oddi, em decisão anunciada nessa terça-feira (19/4), foram condenados pela 14ª Vara Cível do Rio de Janeiro do Tribunal de Justiça (TJRJ), e serão obrigados a indenizar o Clube de Regatas do Flamengo.

Em março de 2020, em plena pandemia, o jornalista afirmou que o desejo do Flamengo de dar continuidade ao Campeonato Carioca evidenciava uma atitude de uma “diretoria desumana”.

“Para mim, o mais estarrecedor de tudo é a postura do Flamengo na reunião tentar continuar o campeonato. E eu acho inacreditável como são os dirigentes do Flamengo. Porque, ao contrário do presidente da República, que é um irresponsável, mas é um irresponsável ignorante, quase uma limítrofe, os dirigentes do Flamengo têm conhecimento, cultura e inteligência, então nada justifica a postura desses dirigentes de tentarem manter o campeonato porque eles sabem muito bem quais são as possíveis consequências. É uma diretoria desumana”, foi esse o comentário do jornalista Gian Oddi.

A emissora e o jornalista, por determinação da juíza Flávia Gonçalves Moraes Bruno, vão ter que exibir um direito de resposta, sob a pena de indenizar, além do clube carioca, o presidente Rodolfo Landim e o vice-presidente jurídico Rodrigo Dunshee. O prazo para o direito de resposta é de cinco dias, sujeito à multa diária de R$ 100, com limite de R$ 50 mil.

Além do direito de resposta, a ESPN terá que pagar a indenização de R$ 45 mil, sendo R$ 15 mil para o clube e R$ 15 mil para cada dirigente que também foi autor da ação. Na decisão, a magistrada chegou à conclusão que o jornalista, “ao noticiar uma informação amplamente veiculada, à época, em diversos meios de comunicação (qual seja, a alegada retomada das atividades pela parte autora e o voto contrário à suspensão do Campeonato Carioca/2020), emitiu um juízo de valor, dando opinião pessoal acerca da situação em tela”.

Veja também:   IPPST descobre fraudes de aposentadorias em ST usando mortos