O açude Borborema em Serra Talhada está morrendo. E vários fatores vêm contribuindo para que isso aconteça. Um deles é a forte estiagem, que vem causando a diminuição do nível do lago. Outro, ainda mais preocupante, é a poluição causada pelo homem, que vem fazendo do reservatório um grande esgoto a céu aberto e matando a vida existente no manancial. Atualmente, quem visita o açude o vê margeado de peixes mortos e assiste à luta de garças e urubus para comê-los.

Além disso, outro grave problema que vem, de forma paulatina, assassinando o Borborema é o assoreamento causado pela ação de carros-pipas. Vários veículos estão captando água no açude e aterrando parte da margem do lago para conseguir abastecer caminhões. À medida que o nível do Borborema diminui, mais os donos do pipas procuram jogar terra e entulhos no sentido de criar um trajeto que leve até ao reservatório. A água captada vem sendo utilizada na construção da PE-418. Essa ação vem preocupando a população local.

“Nós aqui do posto de saúde (da Borborema) estamos muito preocupados, porque aterraram uma área que era de passagem de água durante a cheia do açude. Do jeito que está, cheio de entulho, no período de chuvas, a cheia vai ser impedida de passar e vai entrar aqui dentro do posto de saúde”, alerta a técnica em enfermagem Maria Marleide. No mês de agosto, a construtora Odebrecht foi proibida de retirar a água do reservatório. Agora, outra empreiteira foi proibida de realizar a captação.

De acordo com Homembom Magalhães, diretor de Meio Ambiente de Serra Talhada, desde agosto que o prefeito Carlos Evandro determinou a proibição da captação de água, mas a ‘morte’ do Borborema parece inevitável. “Até o final de dezembro o lago vai secar por uma ação da estiagem. Mas o município agiu na hora certa com relação aos carros-pipas”, garante Bonzinho Magalhães, afirmando que as empreiteiras que contribuíram com o aterramento do açude deverão fazer obras de revitalização do local.

Veja também:   Bodega contou com Zé Orlando e José Feliciano
ASSOREAMENTO: DONOS DE PIPA CONSTROEM MARGEM ATERRANDO PARTE DO AÇUDE