França tem 3ª noite de protestos após morte de jovem por policial

Foto: Reuters/ Gonzalo Fuentes

Por Metrópoles

Pela terceira noite seguida, policiais e manifestantes entraram em confronto em diversas cidades da França. As manifestações desta quinta-feira (29/6) pedem justiça pela morte de um jovem de 17 anos de origem argelina assassinado pelos agentes de segurança do país. Mais de 800 pessoas foram detidos durante os atos desta noite.

Foram mobilizados cerca de 40 mil policiais em todo o país para conter as depredações e ataques a comércios durante manifestações na França. O adolescente foi assassinado na última terça-feira (27/6) e desde então as ruas francesas estão tomadas pela tensão e combate, entre cidadãos e os agentes de segurança.

Veja também:   Serra-talhadenses formam filas no TRE

A população de Nanterre, onde o jovem Nahel foi morto, realizou uma vigília pacífica em que pedia justiça pelo adolescente. No entanto, a mobilização pública ficou estremecida e os manifestantes passaram a incendiar carros, montaram barricadas nas ruas e chegaram a lançar projéteis contra a polícia que estava no local.

Nas redes sociais, o presidente da França, Emmanuel Macron, condenou as manifestações desta semana. “A violência contra delegacias, escolas, prefeituras, contra a República, é injustificável. Obrigado à polícia, gendarmes, bombeiros e eleitos mobilizados. Meditação, Justiça e calma devem nortear as próximas horas”, escreveu o líder francês.

Veja também:   ST já conta com R$ 5 milhões de Marília Arraes

Apesar dos pedidos do governo para manter a calma durante as manifestações, prédios e pontos de ônibus foram pichados com os dizeres “Vingança por Nahel”. Os confrontos violentos também aconteceram em Lille, Toulouse, Marselha e Montpellier.

O ministro do Interior, Gérald Darmanin, declarou que mais de 100 pessoas foram presas na noite dessa quarta (29/6). O político também pediu apoio à polícia francesa e agradeceu o trabalho dos bombeiros.

Assassinato de Nahel

Nahel M. de 17 anos era filho único e era criado pela mãe solo Mounia. O jovem trabalhava como entregador de comida e gostava de jogar rúgbi.

Veja também:   PMST avança com a construção de mais uma creche em ST

O adolescente foi morto durante uma blitz da polícia. Segundo os agentes de segurança, ele teria tentado atropelar dois policiais. No entanto, um vídeo mostra o momento em que o agente aponta uma arma para o motorista e dispara à queima-roupa.

O assassinato gerou comoção nacional e mensagens generalizadas de indignação e condolências, entre elas a do jogador de futebol Kylian Mbappé.

O agente suspeito de assassinar o adolescente está sob custódia da polícia, e será investigado por homicídios dolosos no exercício da função, segundo o Ministério Público francês.