Do Metrópoles

O presidente Jair Bolsonaro (PL) reconheceu, na quarta-feira (11/5), que os recorrentes aumentos no preço médio do quilo da picanha têm pesado na conta do brasileiro, mas defendeu que a alta acontece no mundo inteiro.

Levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), vinculado à Fundação Getulio Vargas (FGV), a pedido do Metrópoles, aponta que o valor do corte bovino teve crescimento acima da inflação nos últimos 12 meses.

Segundo a instituição, o quilo da picanha subiu 15,4% no acumulado de maio de 2021 até abril deste ano. No mesmo período, a inflação teve alta de 12,13%, de acordo com o Índice de Preços no Consumidor Amplo (IPCA).

Os números consideram os índices de Preço ao Consumidor 10 (IPC-10) e de Disponibilidade Interna (IPC-DI).

A picanha, no entanto, está longe de ser o corte com maior crescimento médio de preço. No acumulado dos últimos 12 meses, é o filé mignon quem puxa a fila de aumentos, registrando alta de 26,54%. Na sequência, está o quilo do frango, que teve valorização de 21,32%.

O encarecimento das carnes também fez o valor desembolsado pelos brasileiros para promover o famoso churrasco ficar mais salgado. De acordo com o balanço da FGV, o “kit churrasco”, que considera os cortes normalmente usados na refeição, está 11% mais caro.

Principais culpados

Ao Metrópoles o economista da FGV Matheus Peçanha elencou três fatores como os principais “culpados” pela carne mais cara: clima, câmbio e demanda externa. “A gente teve uma onda de sucessivos choques de custo, e principalmente a cadeia do setor produtivo acabou sentindo por mais tempo. Em 2020, por exemplo, tivemos uma seca muito forte, que impactou a produção de milho e soja. Isso reverbera no preço até hoje”, explica.

Veja também:   Brasileiro tem primeiro caso de varíola dos macacos registrado

“Outro aspecto desfavorável aliado às proteínas foi a demanda externa, especialmente a chinesa, e o fator cambial. Desde 2020, temos uma desaceleração cambial contínua, que só parou agora que os juros começaram a subir. Precisamos lembrar que esse câmbio, de 2019, saiu da casa de R$ 4 para quase R$ 6 durante a pandemia e depois teve impacto importante na exportação”, prossegue.

Peçanha destaca que, com o câmbio em alta, o país perdeu disponibilidade interna dos produtos. “E a demanda chinesa teve um papel superimportante nisso. Em outubro do ano passado, a China levantou embargo na carne brasileira e estancou a inflação da carne vermelha. Tivemos dois meses de zero inflação na carne vermelha. Ao fim do ano, com a queda do embargo, a inflação disparou na ordem de dois dígitos, o que temos visto até hoje.”

O especialista também aponta influências indiretas das sanções econômicas impostas à Rússia, em razão do conflito travado pelo país com a Ucrânia. “A guerra tem impacto, sim. Por exemplo, há um custo maior para gerar forragem, usada para o pasto do gado e para a produção da ração, pesando no preço final. Outra questão é o efeito da guerra no diesel: tudo é frete e isso acaba tendo um impacto mais indireto”, completa.