Da CNN

Foto: Reuters

O cantor e compositor Gilberto Gil toma posse, nesta sexta-feira (8), na Academia Brasileira de Letras (ABL), no Rio de Janeiro.

O ex-ministro da Cultura vai ocupar a cadeira de número 20 da Academia. Gilberto Gil foi eleito com 21 dos 34 votos possíveis, em novembro do ano passado.

Ele irá ocupar a vaga do jornalista Murilo Melo Filho que morreu em maio de 2021.

Os ocupantes anteriores da cadeira 20 foram Salvador de Mendonça, advogado e um dos fundadores da ABL, os jornalistas Emílio de Meneses, Humberto de Campos e Múcio Leão e o general do Exército, Aurélio de Lyra Tavares.

Para o presidente da ABL Marco Lucchesi, Gilberto Gil representa a união entre a cultura erudita e popular. Na ocasião da eleição do cantor, Lucchesi citou uma metáfora do sociólogo, escritor e político brasileiro Darcy Ribeiro para se referir ao novo imortal da instituição.

“Para Darcy, o pássaro da cultura tinha duas asas. Uma delas era erudita e a outra popular. Para que o pássaro possa voar mais longe, ele precisa das duas asas. Certamente, Gilberto Gil é esse traço de união entre a cultura erudita e popular”.

De acordo com o presidente da ABL, Gil é um intelectual que pensa o Brasil.

“Canta e pensa esse país; provou o exílio, em um momento muito difícil da nação; ocupou cargos importantes, como o Ministério da Cultura. Enfim, é um homem poliédrico, que representa parte essencial desses últimos anos do século 20 e do início do século 21. Portanto, ele é um homem que tem muitos traços de união: a política e a poética; século 20 e século 21; a tropicália e o modernismo. Ele é uma figura de extrema riqueza e, certamente, é muito bem-vindo agora como acadêmico, na casa de Machado de Assis”, disse o acadêmico.

Veja também:   Márcia 'mergulha de cabeça' no apoio ao deputado Danilo Cabral

Em entrevista à CNN no ano passado, o poeta, cantor e compositor Gilberto Gil afirmou que é importante a Academia Brasileira de Letras (ABL) ter um representante negro.

“A importância do negro para a civilização brasileira, para a formação da civilização brasileira, é extraordinária. Esses momentos, esse acolhimento a alguém como eu na Academia têm esse significado também”.

A cerimônia de posse está marcada para às 21h, no salão nobre da sede da academia, no Centro do Rio.

O novo acadêmico

Gilberto Gil iniciou sua carreira no acordeon, ainda nos anos de 1950, inspirado por Luiz Gonzaga, pelo som do rádio e pela sonoridade do Nordeste.

Com a ascensão da Bossa Nova, Gil passou a tocar violão e, em seguida, a guitarra elétrica, presente em sua obra até hoje.

Em seu primeiro LP, Louvação, lançado em 1967, traduziu em música, de forma particular, elementos regionais, como nas canções Louvação, Procissão, Roda e Viramundo.

Em 1963, iniciou com Caetano Veloso uma parceria e o movimento Tropicália, que acabou internacionalizando a música, o cinema, as artes plásticas, o teatro e a arte brasileira.

O movimento gerou descontentamento do regime militar vigente à época, e os dois parceiros acabaram exilados. O exílio em Londres contribuiu para a influência do mundo pop na obra de Gil, que chegou a gravar um disco em Londres, com canções em português e inglês.

Ao retornar ao Brasil, Gil deu continuidade a uma rica produção fonográfica, que dura até os dias atuais. São ao todo quase 60 discos e em torno de 4 milhões de cópias vendidas, tendo sido premiado com nove Grammy.

Suas múltiplas atividades vêm sendo reconhecidas por várias nações, que já o nomearam, entre outros, Artista da Paz, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em 1999; embaixador da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO); além de condecorações e prêmios diversos, como a Légion d’ Honneur da França, a Sweden’s Polar Music Prize, entre outros.

Veja também:   Os mistérios e enigmas da capela da PE-365 em Serra Talhada