Homem armado grava vídeo ameaçando matar presidente; Polícia Federal investiga
Arma que estava em posse do suspeito de ameaçar Lula, em vídeo, foi apreendida pela Polícia Federal – Foto: Polícia Federal/Divulgação

Por Jornal do Comércio

 

A Polícia Federal está investigando um homem que postou um vídeo ameaçando matar o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva durante a cerimônia de posse dele, que ocorrerá no próximo domingo (1º) em Brasília.

Nas imagens, que circulam nas redes sociais, o suspeito aparece armado com um suposto rifle, equipado com tripé e supressor de ruídos.

Diligências iniciais foram adotadas pela Delegacia da Polícia Federal em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, após a notícia de que o suspeito era morador da região.

Veja também:   25 crianças esperam vaga de UTI em PE

Nessa quinta-feira (29), segundo a Polícia Federal, o homem compareceu espontaneamente à sede da delegacia, apresentando a arma usada durante a filmagem.

Na ocasião, os policiais federais constataram se tratar de uma arma de pressão por ação de ar comprimido (popularmente conhecida como espingarda de chumbinho).

O QUE DISSE O SUSPEITO QUE POSTOU VÍDEO AMEAÇANDO LULA?

Na sede da Delegacia da PF em Caruaru, o investigado alegou que gravou o vídeo por brincadeira, sem intenção de publicá-lo, mas que acabou postando de maneira não intencional nos stories do seu Whatsapp, onde permaneceu por aproximadamente 10 minutos.

Veja também:   Polícia prende suspeito de abrir fogo no metrô de Nova York

Declarou ainda que não teve a intenção de ameaçar o presidente eleito Lula e que o vídeo foi feito de forma jocosa, não sendo as ameaças concretas ou verdadeiras.

Além da arma de pressão, o investigado também apresentou uma pistola calibre 9mm, que possui na condição de CAC (Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador), devidamente registrada junto ao Exército Brasileiro.

INVESTIGAÇÃO

Em nota, a Polícia Federal afirmou que apreendeu as armas e que foi instaurado um inquérito policial para apurar os fatos.

O suspeito poderá responder pelos crimes de ameaça e incitação ao crime.

Veja também:   Senador José Maranhão morre após contrair Covid-19