Fotos: Celso García/Farol

Maria do Carmo de Carvalho Nascimento, conhecida por Carminha, moradora do Bairro AABB em Serra Talhada, completa 85 anos de muito vigor nessa quarta-feira (3). Mãe de seis  filhos, sendo três homens e três mulheres, também criou mais dois. Tem 17 netos, 14 bisnetos e uma bisneta a caminho. Todos os dias ela está no seu comércio, na Rua Enock Ignácio de Oliveira, próximo à Escola Solidônio Leite em Serra Talhada. Dona Carminha sempre gostou de trabalhar. Ela contou para o Farol de Notícias um pouco do seu afinco com o comércio:

“São 42 anos só aqui, 11 no Alto do Bom Jesus e 19 em Mirandiba. Eu tinha um bar, aí fiquei vendendo estas coisas, calçadinho, perfume. Por 30 anos eu vendi Natura e Avon. Eu tenho muitas peças lindas da Avon em casa. Vendo para não estar perturbando os filhos toda hora, porque eles me dão de tudo. Ainda hoje brigam para eu não vir. Um ligou de Petrolina hoje, chorando: ‘Mãe, ainda está naquela vida? Vá para casa.’ Eu digo: ‘Buscar o quê? Eu não vejo gente naquela casa, eu vejo aqui na rua.” Logo cedo, começa a labuta de Dona Carminha.

Veja também:   'Golpe da Moto' faz serra-talhadense perder R$ 6.500

“Acordo vou para o banheiro, me arrumo, tomo banho, faço o café dos meus filhos. Arrumo a bagagem, aí ele diz: ‘Vai a pé ou de carro?’. Eu digo: ‘Vou nada, para quê eu quero carro? Eu gosto mesmo de vir a pé, para andar e ver gente. Abro às 8h. Quando são 11 ou 12 horas volto a pé”, detalhou Dona Carminha. Ela, além das mercadorias, também encontra tempo para vender cartelinhas de bingo. Ela contou para o Farol quando tudo começou.

“Quando começou o Serrano aqui no Batukão, Bio, muito amigo nosso, me cadastrou. Ainda hoje estou cadastrada. Desde a primeira cartela que eu sou credenciada. Meu divertimento aqui era o futebol e acabou. Eu tenho todos os retratos do futebol. Zé Maria, Jaizinho, da seleção brasileira, do time do Serrano todo. Depois que a política daqui acabou com o Serrano, aí acabou, eu deixei de ir ao futebol. Toda semana, onde fosse, eu ia. Fui para Salgueiro, nesse tempo era de jumentinho, quando cheguei lá, o jumentinho derrubou o Carcará, e eu vim cantando assim: ‘Olê, olê, olê, olá, o jumentinho derrubou o Carcará”

Veja também:   Serra-talhadense: Campanha para criança de 2 anos

Dona Carminha deixa um recado para quem não gosta de trabalhar: “É preguiçoso e de má vontade. Vão andar, vão batalhar, vão trabalhar, porque em casa é pior. Eu com 85 anos tenho a mesma disposição de quando tinha 15.”