Publicado às 13h30 desta segunda-feira (11)

Ao longo da era cristã cultivaram-se alguns hábitos e costumes durante a Semana Santa, algumas de orientação da Igreja Católica e outros de iniciativa popular como malhar o Judas. Estas e outras tradições foram passadas de geração em geração, no entanto, alguns hábitos estão se perdendo.

Durante a Semana Santa é ou era comum jejuar, não varrer a casa, não beber, não tomar banho, não xingar, alguns não recebem pagamento em hipótese alguma, cobrir os santos com pano roxo (cor simbolo da tristeza, dor e penitência) durante quaresma simbolizando o luto pelo sofrimento de Jesus Cristo.

Nessa Segunda-feira Santa (11), a reportagem do Farol conversou com dois idosos, comerciantes do Mercado Público de Serra Talhada, sobre os hábitos durante esse período religioso e constatou que ainda mantêm alguns costumes em respeito ao luto recomendado pela igreja devido ao sofrimento no sacrifício de Jesus.

”Na Semana Santa não pode comer carne, não pode fazer um bocado de coisa. Tem que jejuar, tem que ir à igreja. Tem que ter o maior respeito. Antigamente, o povo não varria a casa, mas hoje o pessoal não respeita muito não. Mas antigamente era isso, não varria casa, não assobiava, nem tomava banho”, explicou Valdetudes Barbosa dos Santos, 88 anos, acrescentando:

‘Tem gente que cobre os santos, mas não tenho essa ideia de porque cobria, mas só podia descobrir na Sexta-feira da Paixão depois da missa, até nas igrejas, mas não sei porquê. Na minha casa, não cobriam não. Mas, carne a gente não come nem na quinta, nem na sexta. O jejum, pela minha idade, não posso mais, mas jejuava e minha esposa ainda jejua.”

Veja também:   PT monta 'time' para derrotar Jair Bolsonaro em Serra Talhada e região

 

”Fico em repouso 2 dias, quinta e sexta, não como carne, rezo como todos os dias, não varremos a casa na sexta e não tomo banho, não vou mentir, jejuo os três dias. Sempre foi assim, e venho acompanhando o jeito do meu pai que fazia tudo isso. Não cobrimos santos, mas digo que quem quiser cobrir pode cobrir”, afirmou Zé Gaia, 81 anos.