Influencer com 200 mil seguidores é presa suspeita de estelionato

Do G1

A empresária e influencer Mayara Lima Corrêa, de 32 anos, que tem quase 200 mil seguidores nas redes sociais, foi presa em Itajaí, no Litoral Norte catarinense.

Ela é suspeita de aplicar golpes em comerciantes por meio de compras online. O estabelecimento dela, com três máquinas de bronzeamento artificial, foi interditado, de acordo com a Polícia Civil.

Mayara foi presa em flagrante por estelionato na segunda-feira (30). A defesa dela diz que teve acesso aos elementos do auto de prisão apenas nesta terça-feira (31), mas busca a liberdade dela na audiência de custódia.

No perfil no Instagram, Mayara se descreve como especialista em bronzeamento artificial e bronze legalizado. Na rede social, ostenta uma vida de viagens, festas e fotos com famosos, entre eles, o ex-pugilista Acelino “Popó” Freitas, o cantor Luan Santana e o também cantor MC Guimê, cantor e atual participante do BBB 23.

Veja também:   Inscrições para lista de espera do Sisu terminam na próxima terça

A investigação detalha que ela comprava produtos como cremes, itens para cabelo e maquiagem pela internet, especialmente de pequenos comerciantes, com valores entre R$ 5 mil e R$ 8 mil por pedido.

Em seguida, após a confirmação do pagamento, a compra era estornada e o vendedor ficava sem o valor. De apenas três vítimas identificadas pela polícia no dia da prisão, as compras fraudulentas somavam R$ 40 mil.

Prisão

Durante a investigação, a Polícia Civil monitorou a suspeita. Ela foi presa na frente do estabelecimento comercial dela. Nesse local, foram encontrados diversos produtos recém-comprados via internet, de forma ilegal, conforme os policiais.

Veja também:   Ofensiva do STF a Janot reacende pressão por CPI

Dentro, foram achadas também as máquinas de bronzeamento artificial. A Vigilância Sanitária quem interditou o local.

Na investigação, a polícia descobriu ainda que os demais produtos comprados ilegalmente pela mulher estariam na casa dela, no bairro Vila Operária.

Os produtos eram novos, com etiqueta. Eles foram apreendidos e levados para avaliação policial. A suspeita foi levada ao Complexo Penitenciário do Vale do Itajaí.

O que diz a defesa?

O Advogado Criminalista Franklin Assis, que está atuando na defesa da empresária Mayara Rafaela Lima Correa, informa que teve conhecimento sobre os elementos do auto de prisão em flagrante apenas nesta terça-feira (31) pela manhã.

Veja também:   Irlando se reuniu com executivos da Neoenergia

A defesa vai acompanhá-la na audiência de custódia marcada para o início da tarde de hoje, cujo objetivo é a concessão da liberdade provisória para que a empresária responda o processo em liberdade; uma vez que é primária, tem residência fixa e não oferece risco à ordem pública. A intenção é substituir a prisão por medidas cautelares.

Franklin Assis informa ainda que no decorrer do processo vai analisar os elementos e a dinâmica dos fatos para então trazer novos argumentos à estratégia da defesa.