Jovem quer título de batimento cardíaco mais lento do mundo
Os exames de Cameron Johnson apontaram um batimento cardíaco médio de 22 bpm mais lenta do que a de atletas de ponta – Foto: Reprodução

Da Folha de PE

Um jovem de 24 anos que gosta de jogar futebol, badminton e correr 10 km por semana afirma ter o batimento cardíaco mais lento do mundo. A frequência de Cameron Johnson mais baixa foi registrada como sendo de 22 bpm (batimentos por minuto) — mais lenta do que a de atletas de ponta.

Ele foi alertado pela primeira vez sobre seu batimento há sete anos, quando ele começou a sentir tonturas ocasionais. Entretanto, o sinal veio em julho deste ano, quando o médico da família mediu seu pulso e constatou que estava muito baixo. O especialista chamou uma ambulância para o rapaz não voltar para a casa andando e levar ele imediatamente para um hospital.

Veja também:   Países da UE concordam em cooperar militarmente

Após alguns exames e análises os médicos disseram que o seu pulso baixo estava bom.

“Às vezes tenho dificuldade em acreditar, mas dizem que é saudável e não há motivo para preocupação. A maioria dos avisos de saúde abordam frequência cardíaca elevada e pressão arterial elevada, mas não há muito sobre frequência cardíaca baixa. Eu estava preocupado com a possibilidade de precisar de um marca-passo, mas os médicos disseram que não fazia sentido me dar um em tão tenra idade, pois na verdade causaria mais danos”, diz.

A taxa de 22 bpm foi registrada quando os médicos o conectaram a uma máquina de eletrocardiograma (ECG) por 24 horas. O exame mostrou que sua frequência cardíaca média era de 30bmp, com quedas de até 22bmp, incluindo pausas noturnas.

Veja também:   Ativistas europeias ficam seminuas em ato pró-dieta vegana

As frequências cardíacas normais variam entre 60 e 100 bpm, dependendo dos níveis de atividade. Varia de acordo com a atividade, diminuindo enquanto as pessoas dormem e acelerando durante o exercício.

Uma frequência cardíaca baixa, normalmente abaixo de 60bpm, pode ser um sinal de problema no sistema elétrico do coração. Isso é conhecido clinicamente como bradicardia e pode causar desmaios e cansaço, que devem ser verificados por um médico.

Estima-se que mais de 2 milhões de britânicos tenham problemas de ritmo cardíaco e a maioria deles possa levar uma vida normal.

Apesar das tonturas, Johnson diz que o seu ritmo cardíaco não o impede de realizar atividades físicas. Ele continua a se exercitar várias vezes por semana, incluindo duas corridas de 5 km, andar de bicicleta e jogar futebol e badminton.

Veja também:   Criança é resgatada após cair em cisterna de quase 10 metros

Agora, Johnson está de olho em um lugar no Guinness World Records por sua frequência cardíaca ultrabaixa. O atual detentor do Recorde Mundial do Guinness é Martin Brady, de Guernsey, que registrou batimentos cardíacos de 27 bpm em 2005, aos 45 anos.

Mas o aposentado Daniel Green recebeu o mesmo prêmio por um painel de jurados separado em 2014, aos 81 anos. Descobriu-se que ele tinha uma taxa de repouso de 36bmp, que caiu para 26bmp.