Do Diario de Pernambuco 

Em um período de cinco anos, o pernambucano Kleber Mendonça Filho entrou para o reduzido círculo de diretores habituais de Cannes, com um cinema social com toques de fantasia, mas tão contundente como sua militância contra o conservadorismo que levou Jair Bolsonaro ao poder.

Também jornalista, tendo trabalhado como crítico de cinema, ele é o único latino-americano que disputou a Palma de Ouro desde 2016, e duas vezes: com o segundo longa-metragem, Aquarius, e o terceiro, Bacurau, que venceu o Prêmio do Júri de 2019 em um empate com o francês Os Miseráveis.

Este ano, Kleber Mendonça, nascido no Recife, em 1968, retorna como integrante do júri presidido pelo cineasta americano Spike Lee. Em 2017, ele comandou o júri da Semana da Crítica, mostra paralela de Cannes. O pernambucano fica à vontade na Croisette: como crítico ele compareceu diversas vezes ao Festival de Cannes e em 2005 exibiu o curta-metragem Eletrodoméstica na Quinzena dos Realizadores, antes de chegar à mostra principal com Aquarius, protagonizado por Sônia Braga.

O filme não recebeu nenhum prêmio, mas a participação marcou a edição de 2016 de Cannes quando a equipe do longa-metragem denunciou no tapete vermelho um “golpe de Estado” contra a ex-presidente Dilma Rousseff, destituída no mesmo ano pelo Congresso.  Aquele foi o início da consagração de Kleber Mendonça em Cannes, que coincidiu com o retorno ao poder no Brasil da direita, com o presidente Michel Temer, e a partir de 2019 da extrema-direita, com Bolsonaro.
Uma guinada que não o deixou indiferente, ainda mais porque Bolsonaro reduziu drasticamente os fundos públicos para o cinema, em uma tentativa de “sabotar” a indústria, segundo o diretor. Quando um artista “está irritado, frustrado, acaba transformando isto em poesia, literatura ou filmes”, declarou o diretor em uma entrevista à AFP em Cannes em 2019.
 
O cinema como protesto
Desta maneira, Bacurau, um filme de gênero sobre uma pequena comunidade, foi encarado por muitos como um grito de resistência dos povos indígenas ante o governo de Bolsonaro. “Este ano não acontecerá protesto, o filme é suficiente”, disse Kleber Mendonça em 2019, quando considerou a situação no Brasil uma “distopia”. Mas o cinema deste diretor, casado com a produtora francesa Emilie Lesclaux, tem o selo da luta social desde o início.
Seu primeiro longa-metragem, O Som ao Redor (2012), ambientado no Recife, demonstra o medo que se apodera de um bairro após a chegada de uma empresa de segurança privada. Esta reflexão sobre as classes sociais conquistou vários prêmios em mais de 10 festivais internacionais e foi considerado pelo jornal New York Times um dos 10 melhores filmes do ano.
 
Realismo e terror
Aquarius mostrou sua protagonista (Sônia Braga) acossada por especuladores imobiliários. Mas o realismo de Kleber Mendonça não é límpido. O diretor utiliza elementos fantásticos, próprios do cinema de gênero e de terror, como acontece em Bacurau. Além de vencer o Prêmio do Júri de Cannes, o filme, codirigido por Juliano Dornelles, foi um sucesso de bilheteria no Brasil. Apesar da aclamação, o filme não foi selecionado para representar o Brasil no Oscar.
Veja também:   Jovem de 19 anos é morto durante assalto