Fotos: Farol de Notícias / Max Rodrigues

Publicado às 18h desta quinta-feira (16)

Mais dois casos de arrombamento e furto são registrados em Serra Talhada e as vítimas agora foram escolas estaduais do município, Solidônio Leite e Irmã Elizabeth. Com os prédios fechados e sem aula devido ao isolamento social, as instituições entraram para o roteiro de locais de crime contra o patrimônio público.

Na manhã do último sábado (11), câmeras de segurança da Escola Solidônio Leite, localizada no bairro Nossa Senha da Penha, flagraram a ação do suspeito que adentrou a cozinha do educandário.

Em uma das imagens é possível ver o assaltante com a mão pelo basculante de uma das portas da escola com um objeto na mão tentando abrir a fechadura por dentro. Ao conseguir, o jovem de pele clara, bigode e cavanhaque, magro vestindo camisa vermelha, bermuda e um chapéu, olha ao redor e ao perceber as câmeras se assusta e retorna abaixado e escondendo o rosto.

Em conversa com o Farol, a diretora do Solidônio Leite, Girlene Maria Pereira, 49 anos, contou que o crime ocorreu por volta das 9h30, enquanto o vigilante aguava as plantas e limpava a frente da escola. O suspeito entrou pelos fundos quebrando um cadeado da porta para furtar um botijão de gás. Na madrugada do domingo (12) o assaltante retornou para levar mais coisas.

“A janelinha da porta da cozinha estava aberta, ele entrou e levou um botijão de gás. Ele não gastou 5 minutos para fazer tudo isso, quebrar a porta, entrar na cozinha pulando a janela que também estava aberta porque eles (os vigilantes) estão cozinhando e fazendo alimentação aqui. Na madrugada do domingo (12), ele (o mesmo assaltante) veio novamente às 2h30 da manhã e tentou entrar pelo mesmo local, mas não conseguiu. Arrombou uma porta lateral que também dá acesso a escola, mas quando ele ouviu o vigilante e se retirou”, explicou a gestora.

IRMÃ ELIZABETH

O outro educandário arrombado, de responsabilidade da diretora Risoleide Pereira de Moura, de 50 anos, relatou que na segunda-feira (13), por volta das 6h30, o servente da escola que sempre abre lá ligou dizendo que percebeu que tinham arrombado o Irmã Elizabeth. Segundo ela, este ano já é o segundo arrombamento que a escola sofre apenas neste ano.

 

“Os portões estavam todos com cadeado, mas estavam forçados. Forçaram a entrada, e também tinha observado que a porta da gestão estava aberta e ele tinha deixado fechada na quarta-feira, teve o feriado da Semana Santa, mas deixou tudo fechado. A porta estava entreaberta e algumas gavetas reviradas. Então, eu vim para a escola e a gente abriu e vimos que eles (suspeitos) quebraram realmente a porta da sala e furtaram dois notebooks”, comentou a Risoleide, acrescentando:

“Um que estava dentro de um armário e o outro estava na mesa. Pelo menos o que a gente percebeu. Saíram colocando um banco para conseguir voltar pelo Cônego Torres. Pularam o muro e para voltar colocaram uns bancos que a gente tinha para conseguir fugir. Quantos foram a gente não tem ideia”, esmiuçou Risoleide.