Lima cita contas para acesso, mas pede foco no CSA; regularizado, Ribamar pode estrear

Foto: Tiago Caldas/CNC

Por Folha de Pernambuco

“Foco jogo a jogo”. Uma das frases mais citadas no futebol domina o pensamento do Náutico para a reta final da Série C do Campeonato Brasileiro. Faltando quatro jogos para o término da primeira fase, o Timbu, sexto colocado, com 24 pontos, precisa de pelo menos mais seis para assegurar lugar no G8. Os cálculos futuros, ao menos por enquanto, ficam em segundo plano. Os alvirrubros estão com atenções voltadas ao CSA, adversário do domingo (6), nos Aflitos.

Veja também:   Mulheres trocam tapas em bairro de Serra Talhada

“Isso (contas) todos fazem, mas pensamos jogo a jogo. Não adianta pensar em Paysandu ou Brusque sem focar no CSA. Os três pontos do domingo são os mais importantes para a sequência. Será uma decisão”, afirmou o volante Lima.

O CSA é o 10º colocado, com 21 pontos, três a menos que o Náutico e apenas um abaixo do primeiro clube da zona, o Paysandu, com 22, em oitavo. “O time deles está se aproximando do G8 e esse jogo é crucial. Ganhando deles, abriremos uma diferença, tendo mais tranquilidade para as próximas partidas”, declarou. Para o confronto, o técnico Fernando Marchiori pode contar com o atacante Ribamar, regularizado nesta quinta (3).

Veja também:   Sem salários, professores desanimam na reta final do ano

Inscrições terminam sexta (4)

O Náutico tem até esta sexta (4) para inscrever novos jogadores na Série C. Depois, terão até o dia 25 de agosto para fazer, no máximo, oito trocas de atletas que estavam inscritos anteriormente e que não participarão mais do torneio. No caso do Timbu, isso se aplicaria a nomes como o do zagueiro Paulo Miranda e do atacante Regis Tosatti, por exemplo, que já deixaram o clube

Desde a chegada do técnico Fernando Marchiori, o Náutico contratou 12 atletas. São eles o goleiro Gabriel Leite; os zagueiros Richardson, Joécio, Wesley Junio e Danilo Cardoso; os volantes Elton e Lima; os meias Yago Ferreira e Alexandre Tam; além dos atacantes Berguinho, Jeam e Ribamar.

Veja também:   Diabetes provocou 12.748 amputações