Publicado às 15h deste domingo (27)

O prefeito Luciano Duque rebateu um professor e estatístico da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) que, durante um programa de TV em nível estadual, esta semana, fez um alerta para que as prefeituras de Serra Talhada e Petrolina decretem estado de lockdown com urgência [assista ao vídeo acima].

O docente comparou a taxa de contaminação de casos de Serra e Petrolina com os índices de contaminação verificados em Caruaru e Bezerros, e encontrou um padrão de contágio por Covid-19 preocupante. Esta semana, o Governo de Pernambuco decretou lockdown em Caruaru e Bezerros de 26 de junho a 5 de julho.

Na visão do prefeito Luciano Duque, durante live do Gabinete de Crise na última sexta-feira (26), a rede de média complexidade de Serra não está saturada ao ponto de se tomar uma atitude tão extrema como um lockdown. Apesar disso, até final desta semana o Hospam estava com todos os leitos de UTI Covid lotados [veja aqui] e não há previsão para abertura do hospital de campanha anunciado pelo governo Paulo Câmara.

Professor fez um alerta durante programa de TV

“Eu recebi um vídeo de um canal de televisão onde um analista, estatístico, falava que Serra Talhada já deviria ter entrado em lockdow e junto com Petrolina. Eu acho que quem não compreende informação não deveria estar na televisão alarmando a população. Ele compara Serra Talhada com Caruaru, nós temos quatro vezes menos casos de mortes do que Caruaru. Então, não podemos entrar em lockdown se nossa rede não está saturada, nossa rede de atenção de média complexidade”, discordou o prefeito.

“A maioria dos casos graves de Serra Talhada são pessoas que não procuraram a atenção primária [nos postos de saúde] para fazer a o tratamento inicial”, disse Luciano, complementando: “Então as pessoas adoecem e ficam em casa, uns acreditam que com Dipirona e outro medicamento vai ficar bom, e não procuram o atendimento médico. São as pessoas que se auto medicam. Esses casos de pessoas que têm a Covid e que se auto medicam e não procuram, nos 7 dias, o atendimento médico você pode piorar e parar no Hospam”.

“HÁ FARRA E FESTAS, MAS CULPAM O COMÉRCIO”

“A doença ataca cada pessoa de uma forma diferente. O caminho correto é procurar a rede de atenção primária porque tem medicamento para entregar a todo o paciente que chegar lá no posto de saúde, agora, ficar acreditando em pessoas que estão pregando o caos? A maioria dos casos onde vem aumentando [a contaminação] são na lives, nas festas, onde as pessoas perdem a noção de controle, se abraçam e aí a gente está vendo candidatos a vereadores, outros candidatos adoecendo, isso é muito sério porque as pessoas não estão respeitando o isolamento social”, afirmou Duque, ponderando:

“E aí fica muito mais fácil colocar a culpa no comércio. Nós no trabalho que temos feito [de fiscalização], as empresas que estão abertas desde março, não há casos de contaminação. Nem nos donos das lojas, nem dos seus funcionários, na sua maioria. Agora, quando você escuta houve festa não sei onde, houve farra não sei onde, e escuta o tanto de contaminado que tem… Porque, via de regra é o que tem acontecido, e aí fica muito fácil colocar a culpa no comércio”.

LEIA MAIS

Idosa é a 10ª vítima da Covid-19 em Serra Talhada

A bomba-relógio da Covid em ST e a politização

Hospam com dez pessoas na UTI da Covid-19