Fotos: Farol de Notícias / Celso García

Publicado às 05h15 desta quarta-feira (13)

A Auxiliar de Serviços Gerais Jucelina Gomes de Lima, 42 anos, moradora do bairro Universitário, em Serra Talhada, está passando um drama com sua filha que precisa de tratamento odontológico de urgência, mas não conseguiu nem na Unidade Básica de Saúde (UBS) de sua comunidade e nem no Hospital Regional Professor Agamenon Magalhães.

De acordo com a mãe, o rosto da jovem ficou completamente inchado devido o problema odontológico. O tratamento para a sua filha custa em média R$ 4 mil e ela não tem condições de arcar com a cirurgia. Jucelina é mãe solo, e além de sustentar seus três filhos com um salário mínimo, está de licença por problemas de saúde e gasta em média R$ 600 em remédios.

Veja também:   Motorista colide com trator e capota carro em Olinda

“A gengiva dela infeccionou no sábado, e piorou no domingo. Ela tem que fazer uma cirurgia, o olho inchou, o rosto todo. Fomos no Hospam e a moça disse que não tinha médico dentista, disseram que está com mais de ano desativado (a emergência odontológica do Hospam). Eu perguntei se nem um clínico não poderia dar uma olhadinha. E disseram que não, receitaram uma injeção e a gente foi na farmácia comprar, mas não davam sem a receita médica”.

Em entrevista ao Farol de Notícias, Jucelina desabafou sobre a falta de atendimento nas instituições públicas e quando foi incentivada a procurar a ajuda de um vereador para lhe encaminhar ao tratamento questionou revoltada.

Veja também:   Marília amplia vantagem e Danilo não decola

“Quando foi hoje – segunda-feira (11), fomos no posto de saúde do bairro Universitário, esse novo que foi inaugurado, e não tinha atendimento porque não tinha energia elétrica. Os aparelhos não estavam ligados. Sem condições, tem que fazer uma cirurgia na gengiva dela, e o orçamento que a gente tinha feito anteriormente disse que era R$ 2 mil a arcada dentária superior e R$ 2 mil a inferior, para fazer uma redução de gengiva, que está cobrindo os dentes. Mas eu não tenho condições. Mandaram eu procurar um vereador e eu não entendo porque um vereador tem direito ao SUS e uma mãe de família não tem”, exclamou a moradora emocionada.

A reportagem do Farol de Notícias entrou em contato com o Hospam e com a Ouvidoria da Secretaria de Saúde de Serra Talhada para saber mais detalhes do ocorrido com a mãe serra-talhadense. Até o fechamento desta edição não obtivemos respostas.