Fotos: Celso Garcia/Farol de Notícias

Publicado às 13h10 desta segunda-feira (6)

Daiane Cristina Laurindo Campos, 32 anos, agricultora, mãe de duas meninas que fazem tratamento em Recife, recorreu ao FAROL em campanha solidária. A filha Ana Beatriz Laurindo Campos Melo, de 11 anos, precisa fazer uma cirurgia de urgência no Hospital das Clínicas em Recife e a família não tem condições financeiras de se manter na capital, uma vez que há despesas que o Sistema Único de Saúde (SUS) não cobre. Caso não faça a cirurgia de imediato, a menina pode ficar paraplégica.

Além do problema de coluna, ela tem cefaleia crônica, anemia crônica, hipotiroidismo e um coágulo na cabeça, devido um acidente que sofreu, que não é operável por está alojado em um local de alto risco cirúrgico. Corre o risco de perder a visão e perder a memória por completo. Ana Beatriz toma muita medicação e alguns não são ofertados pelo SUS, a mãe chegou a entrar na justiça para conseguir um dos remédios, porém ainda não saiu o resultado.

”Comecei levar ela para Dr. Téssio e ele encaminhou para vários especialistas: psiquiatra, psicólogos, reumatologista e para Recife para o endocrinopediatra, foi onde descobri que ela tem hipotireoidismo que desenvolveu puberdade precoce e veio mais problemas. Levei ela para o reumatologista, foram consultas e mais consultas, fez radiografias e exame de idade óssea, e viu que ela tem um desvio na coluna e a idade óssea é avançada. Mas ele falou que não podia fazer nada por ela, o máximo que podia fazer era ficar passando medicação para dor”, disse Daiane.

”Ela sente muita dor, começou dar paralisia, não conseguia se mexer com a dor. A medicação para cefaleia ajudava muito, mas não estava servindo mais. Quando sente a dor fica muito, muito agitada, diz que quer morrer, que não aguenta a dor e a gente que é mãe não gosta de ouvir essas coisas. Levei ela para o reumatologista do postinho, ele pediu uma radiografia completa da coluna e diagnosticou lordose, dores fortes, paralisia e risco dos ossos perfurarem o pulmão”, lamentou a mãe.

Veja também:   Cidade do Pajeú suspende aulas devido Covid

Após receber a notícia na última quarta-feira (1º), a mãe de Ana Beatriz decidiu mobilizar uma campanha para ajudar nas despesas que terá durante o período que estiver em Recife. Para contribuir basta fazer um Pix de qualquer valor para a chave (87) 9 9646-8394 em nome de Daiane Cristina Laurindo Campos. Para mais informações pode entrar em contato com Daiane pelo mesmo número ou pelo contato (87) 9 9652-2152.