Mais de 20 servidores sem salários e empresa culpa a Prefeitura de STPublicado às 05h34 desta terça-feira (7)

Após matéria do Farol de Notícias sobre vigilantes das Unidades Básicas de Saúde (USB) que estão sem pagamento, e alegarem a empresa terceirizada desaparecer, trabalhadores ligados a Secretaria de Serviços Públicos buscaram a redação do Farol para denunciar o atraso de seus salários.

Os funcionários, que não quiseram ser identificados, explicaram que estão há três meses sem pagamento e que representantes da A1 Serviço, terceirizada contratada, informaram que os recursos não estão sendo repassados pela prefeitura.

Veja também:   Eleitor de Márcia se apressa e pede obra 'pelo amor de Deus'

Em um áudio enviado pelos trabalhadores, um representante da A1 afirma que: “Infelizmente está na mesma situação. Está entrando para o terceiro mês que a prefeitura [de Serra Talhada] não paga a empresa e infelizmente a empresa está no aguardo também. O pessoal da prefeitura não responde, não diz nada, não se pronuncia, entendeu?!”.

Os vigilantes explicaram que quando procuram a prefeitura, são informados que não possuem vínculo profissional. “São 25 funcionários nessa empresa. Todos com as contas atrasadas, não sabemos a quem recorrer. Manda a gente cobrar o pessoal da prefeitura, mas quando vamos cobrar aqui eles dizem que não temos vínculo com a prefeitura e que a gente tem que resolver com a empresa”, desabafou o trabalhador.

Veja também:   Padre Douglas Ferreira Leite é encontrado morto em mata

OUTRO LADO

A reportagem do Farol de Notícias entrou em contato com a empresa terceirizada. De acordo com o representante da A1 Serviços, Alisson Costa, os atrasos estão acontecendo há três meses devido a um atraso de repasses do governo municipal.

“Já vai entrar para o terceiro mês que a prefeitura não faz o repasse dos pagamentos para a empresa A1 Serviços. A empresa pagou o salário do pessoal, que realmente está em atraso, e a prefeitura faz três meses que não nos paga. A empresa não tem interesse nenhum de ficar com salários de funcionários, o que não podemos é bancar o salário dos funcionários. Na quarta-feira (8) vamos até a prefeitura para tentar resolver, porque até mesmo o governo não está respondendo”, finalizou.

Veja também:   Ricardo Cardouzo detalha experiência em Goiânia