Márcia presidente da AMUPE; quem ganha com isto?Publicado às 05h52 desta terça-feira (14)

Por Paulo César Gomes, Professor, escritor e pesquisador, colunista do Farol

Nos últimos dias a mídia local e regional só falam na eleição para a diretoria da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), onde a prefeita de Serra Talhada, Márcia Conrado, vai ocupar a presidência da entidade por apenas um ano. A minha dúvida, que certamente é a de milhares de serra-talhadenses, é sobre qual é o benefício que a prefeita vai trazer para o município ocupando esse cargo nesse momento?

Lógico que para ela o cargo é uma grande vitrine política regional, mas para a população que diariamente cobra a realização de obras em ruas e avenidas, a exemplo dos bairros Villa Bella, IPSEP e Jardim das Oliveiras, sem contar as dezenas de pessoas que desde a madrugada enfrentam filas para conseguir marcar uma consulta ou exame em um posto médico? Os moradores dos bairros por onde não circula ônibus coletivos, ou até mesmo que sofrem a crescente onda de roubos e assaltos também devem estar se perguntando: em que a presidência da AMUPE pode beneficiar esta parte da sociedade tão esquecida?

Veja também:   Oposição vai investigar locação de veículos em Serra Talhada

O importante nesse momento é apelar pela democracia, tanto nos atos quanto nas falas, como na comunicação. Sem democracia não temos como viver em uma sociedade harmoniosa e saudável nos pensamentos e atos. A ideia de ser presidente da Amupe pode ser um ótimo negócio para a prefeita e para o município, mas é preciso conversar e combinar com a população. É justo que mais 91 mil serra-talhadenses saibam qual é a finalidade dessa disputa e desse cargo nesta instituição.

Essa é minha humilde opinião. Espero não ser vítima do “gabinete do ódio”, até porque essa prática bolsonarista foi derrotada pelos brasileiros nas últimas eleições em 2022. Espero que a prefeita de Serra Talhada possa ver esse texto com bons olhos e veja que o importante é o foco na solução dos problemas da cidade e com ‘a quebra da mordaça’ que impede que secretários, diretores e prestadores de serviços da estrutura tenham liberdade de se expressarem para o site Farol de Notícias.

Veja também:   Duque é homenageado e recebe título de cidadão belmontense

A publicidade e a transparência são alguns dos pilares da administração pública. Qualquer tipo de censura à imprensa nos remete aos tempos tenebrosos da Ditadura Militar e na nossa região ao coronelismo, práticas que já foram superadas pelo tempo. Nenhum governo democraticamente eleito pode se dar ao luxo de se comunicar através das redes sociais ou em cercadinhos, haja visto o ex-presidente Jair Bolsonaro, que foi derrotado nas últimas eleições.

Fica aqui o meu singelo conselho. Ser um grande político é antes de tudo ser um sábio, ser artista na arte de desvendar os mistérios da política, e um desses grandes sábios certa vez disse: “Na política, assim como na vida, é preciso dar um passo atrás, para depois dar dois na frente” (V.Lênin).

Veja também:   Premiê irá declarar vitória em Mosul, militares enfrentam resistência