Marta lamenta eliminação do Brasil: "Não é, nem nos meus piores pesadelos"

Foto: William West/AFP

Por Folha de Pernambuco

O Brasil entrou em campo nesta quarta-feira (2), para enfrentar a Jamaica, e o resultado não poderia ter sido pior. Com o empate em 0 a 0, a Seleção Brasileira deixou o gramado eliminada da Copa do Mundo Feminina amargando a terceira posição do Grupo F. Depois da partida, a camisa 10 e craque do time, Marta, que jogava o torneio pela sexta e última vez, lamentou, muito emocionada, a desclassificação do time.

“É muito difícil falar em um momento desse. Não é, nem nos meus piores pesadelos, a Copa que eu sonhava. Mas é só o começo, o povo brasileiro pedia renovação e está tendo renovação. Acho que a mais velha aqui sou eu e temos muitas jogadoras novas, com muito talento e com um caminho enorme à frente. Termino aqui, mas elas continuam“, disse Marta, sem conter as lágrimas.

Veja também:   Putin foi alvo de atentado 'malsucedido', diz Inteligência da Ucrânia

A brasileira é a maior artilheira da história da Copa do Mundo, entre homens e mulheres, com 17 gols, um a mais que o alemão Miroslav Klose. Nesta edição, assim como Christine Sinclair, eliminada com o Canadá, tinha a oportunidade de se tornar a primeira atleta a marcar em pelo menos uma vez em seis edições diferentes do Mundial.

Com a eliminação, no entanto, Marta também não pode mais bater o recorde e se despede, aos 37 anos, do torneio. A camisa 10 chegou, ainda, a fazer um apelo para que o povo brasileiro continue apoiando o time e o futebol feminino. Além disso, ela ressaltou que esta foi, de fato, sua última Copa, mas garantiu que a geração segue forte para os próximos anos.

Veja também:   Israel ordena saída de mais de um milhão de habitantes da Faixa de Gaza em 24 horas

“Eu quero que o Brasil continue tendo o mesmo entusiasmo que teve quando começou a Copa, que continue apoiando, porque as coisas não acontecem de um dia para o outro. A gente está vendo seleções que vinham para a Copa e perdiam por 7, 8 ou 10 gols, e agora estão jogando de igual para igual com os grandes. Isso mostra que o futebol feminino está crescendo, que é um produto que dá lucro e prazer de assistir. Então apoiem, continuem apoiando“, iniciou.

A Marta termina por aqui. Não tem mais Copa para a Marta, mas eu estou muito grata pela oportunidade que tive de jogar mais uma Copa e por tudo isso que vem acontecendo no futebol feminino do Brasil e do mundo. Porque para elas, é só o começo. Para mim, é o fim da linha agora“, finalizou Marta, ainda muito emocionada.

Veja também:   Sociólogo diz que Bolsonaro não trabalha e transfere problemas

O Grupo F acabou com classificação da França, com sete pontos, na primeira posição, seguida pela Jamaica, com cinco pontos, na vice-liderança. As seleções enfrenmtam as duas classificadas no Grupo H, e Brasil e Panamá ficam para trás.