Do G1

Tayane Caldas, de 18 anos, teve o rosto tatuado à força pelo ex-namorado, Gabriel Henrique Alves Coelho, que não aceitou o fim do relacionamento. Nesta segunda-feira (23), em sua primeira entrevista, a jovem disse que foi sequestrada e mantida em cárcere no fim de semana, quando teve o rosto tatuado com o nome do ex.

Gabriel Coelho foi preso e levado ao Centro de Detenção Provisória após a mãe da jovem denunciar o caso. Thayane disse que era vítima de violência doméstica e em outras duas vezes, o ex já tinha marcado com o nome dele tatuagens em seu seio e na virilha (leia detalhes mais abaixo).

O g1 tenta localizar a defesa de Gabriel Coelho desde o sábado, mas nenhum advogado do jovem foi encontrado para falar sobre o assunto.

Como aconteceu

Thayane contou que saía de casa na sexta-feira (20) para ir a um curso, quando ele a abordou e obrigou que seguisse em seu carro com ele. Ela foi levada até a casa de Gabriel, onde passou por uma sessão de tortura, com agressões e ofensas.

Em um momento das agressões, Gabriel disse que faria uma terceira tatuagem nela com seu nome, mas agora no rosto.

“Logo depois das agressões, ele amarrou os meus dois braços e falou que ia tatuar meu rosto. Eu chorei, implorei. Eu pedi para ele não fazer isso porque ia destruir a minha vida e ela disse que faria mesmo assim. E enquanto eu gritava, ele me batia. Eu só vi a tatuagem pronta depois e só conseguia chorar”, disse.

Thayane tinha uma medida protetiva contra Gabriel e a mãe acompanhava a rotina da filha, que não saía sozinha de casa, com medo de que fosse pega pelo ex. Quando soube do sequestro, a mãe tentou conversar com o jovem que a encaminhou um áudio dizendo que não adiantava ela pedir, que nada ia mudar.

Veja também:   Primeira noite de shows no São João de ST agita Estação do Forró

No sábado (21), a jovem voltou para casa e foi acolhida pela mãe com hematomas e a tatuagem cobrindo a lateral do rosto com o nome do ex-namorado. A mãe procurou a polícia e ele foi preso por descumprimento de medida protetiva que a jovem tem contra ele.

Na delegacia, o agressor apresentou um vídeo em que Tayane dizia permitir a tatuagem e com isso alegou o consentimento da jovem. A versão é investigada pela polícia, já que a jovem conta que esteve sob ameaça e amarrada durante a gravação.

O caso foi encaminhado à Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), que vai investigar. O agressor segue preso após passar por audiência de custódia.

Na delegacia, o agressor apresentou um vídeo em que Tayane dizia permitir a tatuagem e com isso alegou o consentimento da jovem. A versão é investigada pela polícia, já que a jovem conta que esteve sob ameaça e amarrada durante a gravação.

O caso foi encaminhado à Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), que vai investigar. O agressor segue preso após passar por audiência de custódia.

A vítima contou que eles se conhecem há seis anos e começaram a namorar há dois anos, quando ela tinha 16. Os primeiros meses do relacionamento começaram tranquilos, segundo Thayane, mas ao longo do primeiro ano ele passou a ter comportamentos possessivos, até que começaram as agressões.

“Ele começou impedindo que eu usasse uma roupa, depois de andar com meus amigos e quando eu vi já estava me batendo. Eu acabei contando para a minha mãe e terminamos. Oito meses depois, ele me disse que ia mudar e eu aceitei, foi o meu maior erro”, conta.

Após reatarem, eles foram morar juntos, quando Thayane passou a ser vítima de constantes agressões, teve o seio e a virilha tatuada com o nome do jovem e só conseguiu sair de casa fugida.

Veja também:   São João atrai turistas e aprovação do público em ST

“Eu pedi uma protetiva depois disso, consegui um emprego e estava levando a minha vida. Ele me ameaçava, eu já não tinha mais rede social, celular, até que ele me pegou na rua e disse que iria cumprir a ameaça que tinha, de tatuar a minha cara com o nome dele”.

Após a agressão, Tayane reconhece que estava em um ciclo de violência.

“Eu só quero que as pessoas que estão vendo o meu rosto assim, me vendo, não tenham medo. Não pode ter medo, precisa denunciar, porque tudo fica pior”, disse.