"Me recuso a tomar banho": jovem tem alergia rara à água
Loren Montefusco diz que não pode entrar na piscina, tomar um banho de mar e até gostas de suor a incomodam Foto: – Foto: Reprodução/ Facebook

Por Folha de Pernambuco

Jovem de 22 anos tem alergia extremamente rara à água e diz que precisa se arranhar para tomar banho para aliviar as coceiras e queimações que sente ao entrar em contato com a água. Loren Montefusco, 22 anos, afirma que evita ao máximo tomar banho e quando o faz, precisa ser em menor tempo possível. Segundo relatos no TikTok, menos de 5 minutos são suficientes para as coceiras começarem.

Ela notou sua reação à água pela primeira vez quando tinha 12 anos e foi diagnosticada com urticária aquagênica aos 19 anos, condição rara que atinge cerca de 1 a cada 230 milhões de pessoas no mundo. Entre os sintomas da doença estão: coceira, manchas vermelhas e irritação na pele (urticária) ao entrarem em contato com a água.

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp ( clique aqui )

Em casos mais graves, a exposição prolongada ou em alta quantidade podem levar até mesmo a um risco de choque anafilático, reação alérgica extrema que deixa o indivíduo sem conseguir respirar.

Veja também:   Jornalista russa morre em bombardeio em Kiev

Desde o seu diagnóstico, Montefusco diz que a sua condição piorou e os seus sintomas tornaram-se mais graves. Segundo a jovem, ela não pode entrar em uma piscina, hidromassagem, tomar banho de mar e até mesmo as gotas de suor a incomodam.

Desafios

“Evito ao máximo tomar banho, mas achei nojento tentar não tomar banho, mas tive sorte de encontrar um grupo nas redes sociais de outras pessoas que também se recusam a tomar banho. Isso me faz sentir menos nojento. Tentei me lavar com um pano e água, mas ainda usa água e causa uma reação alérgica, então geralmente tenho que usar lenços umedecidos”, afirma a jovem.

Veja também:   Raquel dos Teclados e bares aquecem ST

Embora pouco se saiba sobre esta condição rara, a literatura científica sugere que o início dos sintomas ocorra na adolescência e geralmente a reação começa no banho. Montefusco disse que a dor e a coceira são as piores coisas que ela já sentiu, ela também evita usar esfoliantes corporais, pois isso desencadearia ainda mais sua reação.

Assim que sai do banho, a jovem tem que se vestir rapidamente para evitar que o ar atinja sua pele, pois isso também aumenta a dor.

“Eu tento ao máximo não sentir coceira, mas não consigo evitar. É horrível. Parece que a coceira está bem abaixo da superfície da minha pele. Eu só tenho que aguentar. Nada ajuda ou impede e pode durar até uma hora”, diz.

Veja também:   Márcia deu ordem de serviço à obra de mais R$ 140 mil nesta 6ª

Causas e exames

A causa da alergia não é clara, mas pensa-se que a condição pode ser devida a um alergênico ou produto químico na água – e não à própria água – que desencadeia uma resposta imunitária. A maioria dos casos ocorre aleatoriamente, sem histórico familiar do distúrbio.

Para diagnosticar a doença, os médicos realizam um exame físico para ver quais sintomas a pessoa apresenta. Eles também podem realizar um teste de desafio de água, onde aplicarão uma compressa de água em temperatura ambiente na parte superior do tórax de uma pessoa por meia hora para desencadear uma reação.

Devido à raridade da doença, pouco se sabe sobre a melhor forma de tratá-la, mas algumas terapias incluem anti-histamínicos, tratamentos com luz ultravioleta, esteroides, cremes que atuam como barreira e banhos de bicarbonato de sódio.