Menina de 12 anos desenvolve 2 dedos enormes por condição rara

Da Folha de PE

Com 12 anos, uma menina de Kuala Lumpur, capital da Malásia, despertou a curiosidade da comunidade científica e de pessoas do mundo todo após sua condição ser publicada na revista científica Cureus, sediada em São Francisco, nos Estados Unidos. No artigo, os médicos descrevem a dificuldade da malaia para andar ou usar sapatos devido ao seu “gigantismo” nos dedos do pé.

O “gigantismo” da menina tem nome científico: Macrodistrofia Lipomatosa (MDL). A condição não é hereditária e provoca o aumento progressivo do tecido fibrogorduroso, fazendo-os atingir tamanhos anormais.

“Radiografias simples e achados de ressonância magnética revelaram acúmulo de tecido adiposo ao redor do primeiro e segundo dedos, aspectos medial e lateral do primeiro metatarso, estendendo-se até o arco plantar medial do pé”, informa a publicação.

Veja também:   Mais um acidente mostra os perigos da BR-232, em ST

A menina foi diagnosticada com MDL ao nascer, mas não compareceu a uma consulta médica de acompanhamento desde então. No entanto, quando seus pais perceberam o aumento significativo dos dedos ao longo dos anos — e a dificuldade em situações cotidianas da vida, como calçar sapatos ou simplesmente andar —, ela foi levada ao hospital. Apesar do quadro, a criança não se queixou de dor, mesmo após andar longas distâncias ou ao subir e descer escadas.

Para melhorar a funcionalidade do pé da menina e eliminar a possibilidade de problemas futuros, a equipa médica local realizou uma operação de reconstrução, que foi bem sucedida.

Veja também:   IMPROVISO: Prefeitura usa antiga ambulância para carregar entulhos em ST

“O MDL é um tipo muito incomum de gigantismo congênito localizado e a consulta cirúrgica é frequentemente realizada por motivos cosméticos”, diz o texto da Cureus. Agora, a paciente pode calçar sapatos e andar sem dificuldades.

Os pesquisadores ainda ressaltaram que a menina estava completamente saudável. “Isso não foi associado a nenhum atraso na obtenção de marcos de desenvolvimento”, informaram. “A criança é a terceira filha de quatro irmãos em um casamento não consanguíneo. Ela nasceu de parto vaginal espontâneo e não há história pré-natal ou perinatal significativa. Nenhuma história familiar de apresentação semelhante ou qualquer outra manifestação semelhante ou anomalias congênitas em outros irmãos”, acrescentaram na publicação.

Veja também:   Sintepe quer reajuste para toda a carreira

Apesar do caso ser raro, ele já foi visto outras vezes. Em 2015, por exemplo, Mohammad Kaleem ficou conhecido como o “menino com as maiores mãos do mundo” antes de ser submetido a uma cirurgia dramática para reduzi-las. O menino de oito anos nasceu com uma doença que fazia com que suas mãos e braços continuassem crescendo até parecerem mãos de gigante.