Do G7

 

Um jornalista de vídeo japonês detido em Mianmar enquanto cobria uma breve marcha pró-democracia foi acusado de violar uma lei contra a divulgação de notícias falsas ou alarmantes, anunciou o governo militar do país do sudeste asiático na quinta-feira.

Toru Kubota, um documentarista de Tóquio, foi preso no sábado por policiais à paisana depois de tirar imagens do protesto.

Ele é o mais recente dos cerca de 140 jornalistas presos desde que os militares tomaram o poder no ano passado do governo eleito de Aung San Suu Kyi. Mais da metade foi liberada, mas a mídia continua sob fortes restrições.

Um escritório de informações militares, o Tatmadaw True News Information Team, disse em um comunicado que Kubota foi acusado de incitação, especificamente por causar medo, espalhar notícias falsas ou agitar contra um funcionário do governo. Ele carrega uma pena de até três anos de prisão. A maioria dos jornalistas presos em Mianmar foram acusados ​​sob a mesma lei.

Veja também:   Sesc Lazer celebra o Dia dos Pais em Serra Talhada

Kubota também é acusado de violar os regulamentos de vistos O comunicado disse que Kubota chegou a Yangon da Tailândia em 1º de julho com um visto de turista.

Kubota é o quinto jornalista estrangeiro detido em Mianmar, depois dos cidadãos norte-americanos Nathan Maung e Danny Fenster, que trabalhavam para publicações locais, e dos freelancers Robert Bociaga da Polônia e Yuki Kitazumi do Japão. Todos acabaram sendo deportados.

A tomada do poder pelo exército foi contestada por protestos pacíficos generalizados que foram reprimidos com força letal. A oposição continua com protestos pacíficos nas cidades e vilas e resistência armada no campo.

De acordo com uma contagem detalhada da Associação de Assistência a Presos Políticos, pelo menos 2.148 civis foram mortos pelas forças de segurança e 14.970 presos desde que os militares tomaram o poder.

Veja também:   Leandro Lo, campeão mundial de jiu-jítsu, é morto com tiro na cabeça

O comunicado militar disse que Kubota foi detido no município de Dagon do Sul, em Yangon, enquanto tirava fotos e vídeos de 10 a 15 manifestantes. Ele disse que ele confessou à polícia que havia contatado os participantes do protesto um dia antes para organizar a filmagem.

A declaração não menciona onde ele está detido. Dois manifestantes na marcha de sábado também foram presos, segundo os organizadores do protesto, mas não houve comentários sobre eles por parte dos militares.

O vice-chefe de gabinete japonês, Seiji Kihara, disse na segunda-feira que “um cidadão japonês de 20 anos” foi preso no sábado enquanto filmava uma manifestação em Yangon e que funcionários da embaixada japonesa solicitaram sua libertação antecipada.

Veja também:   Mais uma serra-talhadense cai em golpe no Instagram e perde R$ 6.400

Amigos de Kubota no Japão pediram na quarta-feira sua libertação imediata, e uma petição online coletou mais de 41.000 assinaturas exigindo sua liberdade.

Formado pela Keio University de Tóquio com mestrado pela University of the Arts London, Kubota, 26, fez trabalhos para o Yahoo! News Japan, Vice Japan e Al Jazeera English.

Seu trabalho se concentrou em conflitos étnicos, imigrantes e questões de refugiados, incluindo a situação da perseguida minoria muçulmana rohingya de Mianmar.