Morre Fernando Filizola, membro fundador do Quinteto Violado

Do JC Online

O músico Fernando Filizola, um dos fundadores da Quinto Violado, morreu na noite do último domingo (19), aos 76 anos, após sofrer complicações pulmonares pelo uso do cigarro. Ele estava internado em Natal (RN), onde morava há décadas.

O velório foi realizado no Vila Memorial, em Natal, a partir das 11h desta segunda-feira (20). O sepultamento será realizado no cemitério Morada da Paz, também na capital potiguar.

Após complicações no pulmão, o artista realizou uma cirurgia no dia 14 de março, quando foi descoberto um quadro cancerígeno. O falecimento ocorreu cinco dias depois.

Veja também:   Kurt Cobain, ex-vocalista do Nirvana, festejaria 50 anos. E o que faria hoje se estivesse vivo?

Importância no Quinteto Violado

Fernando Filizola participou do início do Quinteto Violado, banda com mais de 50 anos de história. Ele permaneceu no grupo de 1971 até 1984. “Foi um grande músico, que deu uma contribuição muito grande ao Quinteto”, diz Marcelo Melo, outro membro-fundador.

Além deles, integravam o grupo Generino Luna (flauta), Luciano Pimentel (bateria), e Toinho Alves (contrabaixo). Fernando ficou conhecido como guitarrista do grupo da jovem guarda The Silver Jets, também formado por Reginaldo Rossi.

Veja também:   Biden quer vacinar todos os adultos dos EUA até 19 de abril

“Ele tinha uma técnica muito grande com guitarra, era muito musical. Também tinha uma ligação muito forte com a obra de Gonzaga. Começou a desafiar o trabalho com a viola, de fraseados, bem típicos da região Nordeste. Além disso, era bom em cena, aboiava”.

Após a saída do Quinteto, Fernando foi morar no Rio de Grande do Norte, onde tentou uma carreira solo. Também mantinha outras atividades artísticas, como pintura e desenho. Ele também é compositor de músicas como “Palavra Acesa”, que foi tema da novela Renascer (1993), “Mundão” e “Uma Noite de Festa Comigo.”

Veja também:   Um dia após rebater ataques de Bolsonaro, Fux se reúne com Aras no STF