Do Diario de Pernambuco

Midhat Poturovic/Divulgação

Uma mãe de Srebrenica, Hajra Catic, que após a guerra da Bósnia lutou por anos para descobrir a verdade sobre o genocídio de 1995 neste enclave muçulmano, morreu nesta terça-feira (9), anunciou o Centro Memorial de Srebrenica.

“Uma das mais corajosas (…) Hajra Catic morreu sem poder comparecer ao funeral de seu filho Nihad Nino Catic”, que foi morto no massacre de Srebrenica aos 26 anos, acrescentou o Centro em um comunicado.

Os restos mortais de seu filho, um jornalista que enviou o último pedido de socorro de Srebrenica pouco antes da tomada da cidade em 11 de julho de 1995 pelas forças sérvias da Bósnia, nunca foram encontrados.

“Durante os 26 anos que se seguiram ao genocídio, ela manteve viva a bravura deste repórter de guerra de Srebrenica, motivando outros a não pararem de lutar pela verdade e justiça”, diz o texto.

Hajra Catic liderou a associação “Mulheres de Srebrenica” em Tuzla (nordeste), onde se estabeleceu após o massacre. Todo dia 11 organizava uma manifestação para exigir justiça e a prisão dos responsáveis pelo massacre.

Cerca de 8.000 homens e adolescentes muçulmanos bósnios foram mortos em Srebrenica, onde a justiça internacional concluiu que um genocídio foi perpetrado.

Os ex-líderes políticos e militares dos sérvios da Bósnia, Radovan Karadzic e Ratko Mladic, foram condenados à prisão perpétua pela justiça internacional, especialmente por este crime.

Hajra Catic também perdeu seu marido Junuz neste massacre, mas seus restos mortais foram encontrados e enterrados dez anos depois.