Da ISTOÉ

Foto: Reprodução do Instagram

O motel “Chamego”, localizado em vigia, no nordeste do Pará, divulgou uma nota no último sábado (23) sobre o caso das adolescentes que foram levadas ao local por dois militares da Marinha na última quinta-feira (21). Segundo a direção do motel, os marinheiros burlaram o controle de acesso para entrar no estabelecimento com as duas menores de idade. As informações são do G1.

Uma das adolescentes foi baleada na boca dentro do motel. Ela está internada em estado grave.

O caso é apurado pela Polícia Civil. O militar acusado de fazer o disparo, Gabriel Norberto de Almeida Lobo, segue preso no Comando do 4º Distrito Naval, em Belém. A defesa dele diz que ele não sabia que elas eram menores de idade e afirma que o disparo foi acidental. Em nota, a Marinha afirmou que ele deverá responder pelos atos perante a Justiça. O outro militar, que não teve o nome divulgado e seria o dono da arma, está foragido.

Na nota divulgada, o motel afirma que, conforme a lei, proíbe a entrada de menores de idade no estabelecimento e atribui o ocorrido a “pessoas más intencionadas que burlam o controle de acesso e que foge no ordinário à possibilidade de controle pelo estabelecimento comercial”.

Veja também:   Diretoria do Banco do Brasil vai comprar 1,2 mil kits