Do Diario de Pernambuco

Foto: Reprodução

Um motorista de aplicativo se recusou a levar uma passageira que estava vestida com uma roupa vermelha, alegando que ela era “petista”. O caso aconteceu no último sábado (7), em Bélem, com a advogada Amanda Laredo.

Amanda compartilhou o print que mostra a conversa com o motorista. Ela o chamou atenção por ter passado do ponto de encontro: “Moço, o senhor passou. É aqui na esquina”, e então recebeu como resposta: “oi, não levo petista”. Após a mensagem, ela pediu que ele cancelasse a viagem.

Em entrevista ao UOL, a advogada esclareceu que ele tirou conclusões precipitadas a partir da cor de sua roupa. “Eu fiz o sinal e ele nem baixou o vidro, só passou direto”, disse. Segundo ela, essa foi a primeira vez que teve uma experiência negativa por esse motivo com aplicativos de motoristas.

Em nota, a Uber afirmou que os motoristas parceiros têm o direito de ter a própria posição política, mas não tolera que “credo, raça, nacionalidade, religião, necessidade especial, orientação sexual, estado civil, idade ou inclinação política” sejam razões para que uma pessoa não seja atendida. A empresa ainda não se pronunciou se o motorista será punido.

Veja também:   Mensagem de massacre em escola do Pajeú é descoberta