Do UOL

Foto: Reprodução do YouTube

Uma mulher belga está proibida de frequentar um zoológico na Bélgica após ser acusada de ter uma relação afetiva prejudicial à socialização de um chipanzé. “Eu amo aquele animal e ele me ama”, disse Adie Timmermans, ao canal ATV, sobre seu banimento.

Conforme mostram algumas imagens, a mulher e o chipanzé macho, chamado Chita, mandam beijos e dividem atenção semanalmente pelos últimos quatros anos. A mulher se apegou ao primata e considera a proibição, válida desde a última quinta-feira (19), um absurdo. “Eu não tenho mais nada, por que eles quiseram me tirar isso?”, conta, aos prantos, à TV belga.

Segundo o zoológico, o relacionamento entre a humana e o primata prejudica o convívio social do chipanzé, visto que os outros animais do grupo passaram a ignorá-lo quando ele começou a se relacionar Timmermans e outros visitantes.

“Quando Chita está constantemente cercada por visitantes, os outros animais o ignoram e não o consideram parte do grupo”, explica a cuidadora do zoológico, Sarah Lafault, que ainda diz que o animal fica cerca de 15 horas por dia excluído do grupo em cativeiro.

No entanto, este processo dificilmente será revertido, visto que o chipanzé passou mais que metade da vida sendo criado como um animal doméstico antes de ser entregue ao zoológico.

Em 2008, por exemplo, o primata se envolveu em uma violenta briga com outros macacos machos em cativeiro. Como resultado, Chita gosta de pessoas, mas não de macacos.

Veja também:   Cinema mundial se prepara para todo o glamour para o Festival de Cannes