MUTIRÃO: Governo do Estado anuncia mais um prazo para o término das obras de urbanizaçãoMais uma vez o Governo do Estado de Pernambuco anunciou um novo prazo para finalizar as obras de urbanização do bairro do Mutirão, em Serra Talhada. A comunidade detém o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Capital do Xaxado e as obras se arrastam há mais de cinco anos.

Nesta quinta-feira (16), durante entrevista a Rádio Vila Bela FM, o diretor técnico da Companhia de Habitação de Pernambuco (CEHAB), Nílson Holanda, se atreveu em decretar o término dos trabalhos.

“Acredito que até 30 de junho deste ano esperamos está aqui, em Serra Talhada, para inaugurar a obra. Tivemos dificuldades com relação aos repasses da Caixa Econômica Federal (CEF) mas estamos com um cronograma para entregar a obra até o final deste semestre”, disse Holanda.

Veja também:   Cachaçaria Fogão de Lenha promove arraial em Triunfo

Segundo ele, cerca de R$ 6,5 milhões é total que será investido na urbanização do bairro e cerca de 70% da obra está pronta. “Nove casas já estão prontas e parte das 36 casas serão entregues em maio e o restante em junho”, acrescentou o técnico.

ENREDO POLÍTICO

As obras de urbanização do bairro do Mutirão já foi alvo de moeda eleitoral por todos os políticos que representam Serra Talhada. O “pai” da proposta é o ex-deputado Augusto César Filho (PTB), que lançou o projeto com grande estardalhaço com apoio do PT e até do senador Armando Monteiro. Depois vieram gestões dos deputados Augusto César (PTB), Manoel Santos (PT) e durante a campanha eleitoral do ano passado, o próprio deputado Sebastião Oliveira (PR),  garantiu resolver o imbróglio.

Veja também:   Concurso de Miss Gay agita o sábado em ST

Há cerca de dois anos, Sebastião chegou a trazer o presidente da Cehab, Nílton Mota, para dialogar com os moradores do Mutirão. Na época, Mota anunciou a retomada das trabalhos. Após a visita do governista, a obra sofreu várias paralisações por falta de recursos. As obras foram retomada na última segunda-feira (13), mas se arrastam por cerca de cinco anos.