'Não queremos uma guerra na América do Sul', diz Lula

Foto: Evaristo SA / AFP

Por Folha de Pernambuco

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva expressou, nesta quinta-feira (7), sua “crescente preocupação” com a crise entre Venezuela e Guiana, e advertiu que a região não quer uma guerra entre países vizinhos.

“Vamos tratar com muito carinho porque se uma coisa que não queremos aqui na América do Sul é guerra, nós não precisamos de guerra, não precisamos de conflito”, disse o presidente durante uma cúpula do Mercosul no Rio de Janeiro, na qual propôs a mediação da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).

Veja também:   Jornalista brasileiro é interrogado em quartel

Lula pediu a seus pares da Argentina, Uruguai e Paraguai uma declaração conjunta na cúpula.

“O Mercosul não pode ficar alheio a essa situação”, apontou.

As tensões escalaram esta semana entre Venezuela e Guiana pela questão de Essequibo, região rica em petróleo e objeto de uma centenária disputa territorial entre esses países vizinhos.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, propôs uma lei para a “criação da Guiana Essequiba”, uma província da região sob administração de Caracas, após o voto afirmativo dado por 95% dos participantes de um referendo consultivo realizado no domingo.

Veja também:   Moraes intima diretor da PRF a parar imediatamente

Na quarta-feira, porém, os dois países concordaram em manter “canais de comunicação”, depois de uma conversa entre seus chanceleres por telefone.

“Sugiro que o companheiro presidente da Celac possa tratar do tema com as duas partes”, disse Lula. “Caso considerado útil, o Brasil estará à disposição para sediar qualquer e quantas reuniões forem necessárias”, acrescentou.

Esta semana, o Exército brasileiro reforçou sua presença na fronteira com a Venezuela e a Guiana.

Os Estados Unidos, por sua vez, anunciaram que realizará exercícios militares na Guiana.

Veja também:   Rússia ameaça retaliações após Trump

As tensões preocupam a comunidade internacional. O secretário-geral da ONU, António Guterres, expressou apoio ao “uso de meios exclusivamente pacíficos para resolver disputas internacionais”, indicou seu porta-voz, Stéphane Dujarric.

O Conselho de Segurança do órgão se reunirá nesta sexta-feira a portas fechadas para discutir o assunto.