Do Diario de Pernambuco 
A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, informou nesta quinta-feira (19) que o rastreamento iniciado logo após a aparição de um caso de covid-19 está avançando e permitirá “eliminar” o foco de sua origem.
Enquanto isso, um confinamento de curta duração está em vigor desde terça (17). As autoridades sanitárias da Nova Zelândia tentam descobrir como um homem, morador de Auckland, contraiu covid-19 esta semana. É o primeiro caso de origem local em seis meses.
Testes mostraram que o indivíduo é portador da variante Delta. Ardern observou que a investigação se acelera, em torno de um viajante procedente de Sydney em 7 de agosto.
De acordo com a primeira-ministra, em sua chegada, a pessoa em questão foi colocada sob quarentena e depois hospitalizada – um indicativo de que o vírus não circulou por tanto tempo quanto se temia inicialmente.
“Encontramos a peça do quebra-cabeça que procurávamos”, disse Ardern à imprensa, acrescentando que este rastreamento permitirá “limitar o vírus, bloqueá-lo e eliminá-lo”.
Segundo ela, o país registrou 11 novos contágios nas últimas 24 horas, com um total de 21 casos.
O confinamento decretado na terça-feira, o primeiro em 15 meses em nível nacional, vai durar apenas três dias. Já em Auckland, será de uma semana. Este prazo poderá ser estendido na sexta-feira (20).
O arquipélago foi muito elogiado por sua gestão da pandemia. Até o momento, acumula 26 mortes em uma população de cinco milhões de habitantes.
Veja também:   Líder indígena Sonia Guajajara e Tulio de Oliveira nos 100 mais influentes