O seresteiro Zé Bordado cantava o romantismo em Serra Talhada

Publicado às 05h57 desta terça-feira (18)

A coluna “Viagem ao Passado” faz um simples homenagem a um dos maiores seresteiros e boêmios de serra-talhadeses, José Pedro Filho, o grande Zé Bordado.

O compositor, cantor músico faleceu aos 66 anos vitima de problemas cardíacos, em 12 de agosto de 2009 na cidade do Recife.

Zé Bordado deixou uma legião de amigos órfãos do seu talento, além de uma viúva extremamente amável e amiga, Dona Luiza, que gentilmente nos cedeu essa foto.

O saudoso seresteiro deixou vários filhos, entre eles, o grande produtor e músico, José Orlando, e muitos netos e bisnetos.

Veja também:   Após as chuvas, internautas alertam Secretaria de Saúde para foco na Enock Carvalho

Na época de Zé Bordado, as apresentações eram em festas caseiras, a exemplo de casamentos, aniversários, batizados, ou em encontros de amigos pelos bares da cidade.

A música começava e não tinha hora para parar. E no repertório sempre acabava entrando um Vicente Celestino, Altemar Dutra, Dalva de Oliveira, Núbia Lafayte, Nelson Gonçalves, entre tantos outros músicos que fizeram parte dos tempos dourados das serestas e da vida boêmia do serra-talhadense.