dengueA Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que o risco de casos importados de zika vírus aumentou na Europa e que os próximos meses podem registrar um aumento na transmissão pelo Velho Continente. Mas aponta que, por enquanto, a ameaça de que a doença se espalhe pela Europa é “extremamente baixa” durante os meses atuais de inverno. Em um comunicado emitido nesta sexta-feira (29), em Genebra, na Suíça, a entidade confirmou a proliferação de registros de pessoas que voltaram para a Europa contaminadas pelo vírus.

Veja também:   Moradores denunciam Centro Esportivo às escuras em ST

“Na medida em que o zika vírus continua a se espalhar pela América, o risco de que viajantes infectados entrem na Europa aumenta. Casos importados foram registrados em vários países europeus”, confirmou a OMS, em uma referência a casos na Suíça, na Alemanha, na Espanha, na Itália e em outros países.

A entidade também alerta que o risco não é imediato. “Durante o inverno, o risco de uma transmissão do zika vírus pela Europa é extremamente baixo. Ainda que o mosquito Aedes esteja presente em vários países europeus, especialmente no Mediterrâneo, as atuais condições climáticas não são adequados para suas atividades”, explicou.

Veja também:   Veículo com mais de 120 kg de maconha capota na BR-232, no Sertão de Pernambuco

Mas a OMS também diz que, com a primavera e verão nos próximos meses no Hemisfério Norte, o “risco da transmissão na Europa vai aumentar, já que os mosquitos encontrarão melhores bases para se proliferar em climas mais quentes”. A OMS sugere que os países europeus usem os atuais meses para “se preparar para detectar e administrar as infecções em viajantes vindos de países afetados”.

“Países onde o mosquito do Aedes está presente devem se preparar para lidar com o risco de uma proliferação do zika na primavera e verão”, indicou. “Países europeus podem usar sua experiência com a dengue e chikungunya para controlar esses mosquitos”, disse.

Veja também:   Homem é preso após assaltar comerciante em ST

A OMS sugere que os governos “fortaleçam o controle dos vetores, monitoramento e laboratórios para detectar o vírus e complicações neurológicas, assim como a comunicação sobre o zika”. “Isso vai ajudar a reduzir a presença do Aedes e, assim, o risco de zika se espalhar pela Europa”, completou.

Do Ne 10