Do Folhape

 Foto: Aaref WATAD / AFP

Mais de 9,3 milhões de crianças sírias precisam de assistência humanitária, alertou a ONU neste domingo (8), um número recorde desde o início do conflito na Síria em 2011.

“Milhões de crianças continuam a viver com medo, incerteza e necessidades na Síria e nos países vizinhos”, disse Adele Khodr, diretora regional do UNICEF para o Oriente Médio e Norte da África, em comunicado.

Segundo os últimos dados da agência da ONU, “mais de 6,5 milhões de crianças na Síria precisam de assistência”, bem como “quase 5,8 milhões de crianças sírias nos países vizinhos”.

“Este é o número mais alto registrado desde o início do conflito”, apontou Khodr.

“Muitas famílias estão lutando para sobreviver”, acrescentou a funcionária da ONU. “Os preços dos produtos de primeira necessidade, incluindo alimentos, estão subindo vertiginosamente, em parte por causa da crise na Ucrânia”, explicou.

O UNICEF lamentou o declínio no financiamento internacional, dizendo que recebeu “menos da metade dos fundos necessários este ano” para atender os necessitados.

A organização declarou que “precisa urgentemente de 20 milhões de dólares para suas operações transfronteiriças, o único meio de sobrevivência para quase um milhão de crianças no noroeste da Síria”, região controlada pelos rebeldes.

“A crise na Síria está longe de terminar”, ressaltou o UNICEF, observando que 13.000 crianças foram mortas ou feridas desde 2011, 213 delas “nos primeiros três meses” de 2022.

Cerca de meio milhão de pessoas foram mortas desde o início do conflito na Síria, em 2011.

Veja também:   Cresce suspeita de elo entre hepatite misteriosa e Covid-19