Por Adelmo Santos, escritor de Serra Talhada autor do livro “Menino Malino”

OPINIÃO: A revolução dos bichos coloca contra a parede os pecados dos homensUm porco reuniu os bichos para fazer uma revolução, pra viverem em liberdade, e ficarem livre do homem. O porco disse para os animais: “a nossa vida é miserável trabalhosa e muito curta, todos os nossos esforços são roubados pelo homem, tudo que a gente produz ele chega logo e come. O homem é o único animal que vive sem produzir, não dá leite, não põe ovos, e também é muito fraco, pois ele nunca tem forças para puxar o arado. Polui o ar, polui os rios, mesmo assim ele é o tal, e se julga o senhor de todo o reino animal. O nosso trabalho cultiva o solo, o nosso estrume fertiliza, mesmo assim nenhum de nós possui mais do que a vida.

As galinhas que estão aí na frente, dos ovos que vocês botaram quantos pintinhos nasceram? Não nasceram quase nada, a maioria foi para vender nos  mercados. Nós temos que nos unirmos com a maior dedicação, para a gente ficar livre do homem, deve haver revolução”. O porco perguntou se algum bicho queria falar, o cachorro pediu a palavra dizendo que não tinha nada a reclamar, que vivia solto nas ruas correndo dum lado pra outro sem ser incomodado por ninguém. Enquanto o carro do zoonoses estava sempre vazio.

Veja também:   Sesi oferece 300 vagas em cursos gratuitos e EAD

O cavalo disse que ele era quem mais trabalhava e quando ficava velho era sacrificado. O jumento disse que sentia muita falta do cantor Luiz Gonzaga, que o considerava como um irmão, e que agora vive abandonado pelas as estradas do Sertão, e contou que escapou por um triz no abatedouro de Salgueiro, dizendo que ele era um dos cinco jumentos que estavam na fila para serem abatidos. O bode disse que não aguenta mais pagar a taxa dos bombeiros, e que quem governa um estado cobrando uma taxa dessas não tem condições de ser presidente de um país.

Veja também:   Abono salarial fica bloqueado para trabalhador com o CPF irregular?

A vaca quis saber porque mesmo com a transposição das águas do Rio São Francisco o rodízio continua, e o porco explicou dizendo que enquanto o Rio é perene, a COMPESA é temporária fazendo o rodízio e deixando os animais sem águas.

O macaco elogiou muito a Central Dos Conselhos de Serra Talhada, dizendo que o prefeito foi muito bem aconselhado quando tomou o café da manhã no Mercado Municipal. E todos os bichos riram, gritando: “ O macaco tá certo!”

O burro disse que não entendia porque um rio como o São Francisco, com 2830 km de extensão, e um volume d’água  de 2943 metros cúbicos por segundos, iluminando todo o Nordeste com a sua usina hidrelétrica, não estava conseguindo abastecer Serra Talhada sem fazer rodízio. O porco explicou para os bichos dizendo: – Todas essas medidas juntas formam o tamanho da incompetência, que mesmo com esse volume d’água nos canos, não consegue abastecer a cidade sem rodízio.

Veja também:   Comitiva brasileira vai aos EUA pedir respaldo para eleições do Brasil

O gato estava nervoso e queria saber porque o INSS aplicou sete vezes o fator previdenciário na sua aposentadoria. Disse que depois disso não consegue mais viver sem dar seus pulos. O tamanduá também falou, disse que enquanto o governador inaugurava a primeira aula do curso de medicina na cidade, viu um ônibus do programa “Caminhos da Escola” no caminho do hospital, carregando pacientes.

A cabra queria saber se os alunos que vem da zona rura,l em cima de caminhão pau de arara, vem cantando o hino nacional. O porco riu dizendo: – Eu acho que eles vem cantando é “A Triste Partida, mesmo.” E assim acabou a reunião dos bichos, com o porco pedindo mais união para eles cobrarem e exigirem os seus direitos