paulo césarPor Paulo César Gomes, Professor e escritor serratalhadense

O Partido dos Trabalhadores vive a sua maior crise desde que foi criado, ainda durante a Ditadura Militar. O partido nasceu da junção dos metalúrgicos do ABC, os sindicatos rurais, setores da Igreja Católica e os intelectuais que retornavam do exílio. Na época, o PT adotou como documento base o Manifesto de fundação, que entre coisas, defendiam “um governo sem patrões” e “socialista”.

Passados mais de 35 anos desse momento histórica da política nacional e frente às muitas mudanças em escala internacional, o PT deu uma guinda política à direita. Rasgando princípios e bandeiras históricas, símbolos de um partido que se dizia “representar a classe trabalhadora”.

As contradições não param por ai. Os líderes do PT, com o objetivo único e exclusivo de conquistar e manter o poder, realizaram as mais esdrúxulas alianças, das quais inclui- se José Sarney, Renan Calheiros, Fernando Collor, Paulo Maluf, e outros setores conservadores da política brasileira.

E o pior. Foi que para manter essas alianças, a direção do PT jogou a sigla e seus filiados em terreno enlameado do fisiologismo e da troca de favores. Uma contradição que mostra as deformações que reina no partido, o que entre outras coisas, está acabando com uma das coisas mais significantes para qualquer militante; o orgulho de ser PT! O orgulho de expor o seu brochinho com a estrela do PT! A sua bandeira vermelha!

Infelizmente, o PT vive envolto em uma disputa de vaidades, onde se pensa mais em quem deve ser o próximo candidato a vereador, a prefeito, e até a presidente da república, uma verdadeira guerra de interesses pessoais. No entanto, os problemas reais, como a falta de ética e a corrupção, são deixados de lado.

Veja também:   Vereador avalia gestão de Márcia e diz que ruptura não interessa

O PT certamente não vai ser extinto, mas vai definhar. Vai pagar um preço muito caro por ter jogado no lixo o seu estatuto e os seus princípios. O que no decorrer dos próximos anos levará a legenda a perder que de mais precioso ainda lhe resta, a sua militância. Não a militância paga ou comprada com cargos, mas aquela feita por pessoas honestas, dignas, que no dia-a-dia vão às ruas defender um sentimento, uma ideologia, que parece que a cada momento se torna uma utopia. É vergonhoso! É desastroso! É decepcionante! Mas, é real. O PT já não é mais o partido que vai mudar o Brasil, pelo menos enquanto mantiver no lixo o seu estatuto e a sua dignidade.

Um forte abraço a todos e até a próxima!