Publicado às 13h18 desta segunda-feira (20)

Menos de 24 horas depois de selar acordo com a pré-candidata Marília Arraes, o deputado Sebastião Oliveira, pré-candidato a vice-governador na chapa do Solidariedade, passou a ser alvo de uma dura perseguição por parte do governador Paulo Câmara, demitindo todos os cargos comissionados ligados ao deputado serra-talhadense.

Nem mesmo áreas estratégicas da saúde foram respeitadas. A diretora da XI Gerência Regional de Saúde (Geres) Karla Millene, e o diretor do Hospital Agamenon Magalhães (Hospam), foram demitidos por serem ligados a Sebá. O governo não levou em consideração os trabalhos de excelência feitos pela dupla e demitiu ambos por telefone.

Nesta segunda (20), a reportagem do Farol conversou com Millene, que confirmou a exoneração, mas fez questão de agradecer ao governador, pelo tempo que passou no comando, mas que precisa manter a sua lealdade ao deputado Sebastião Oliveira.

“Sou grata ao Governador Paulo Câmara, Dr André Longo [Secretário de Saúde], toda a equipe da Secretaria Estadual de Saúde, aprendi muito com todos, mas o meu ciclo no governo chegou ao fim. Sou técnica, militante e defensora do SUS e assim quero continuar contribuindo para a melhoria da saúde do meu sertão e da minha III Macrorregião de Saúde. Obrigada a todos pelo carinho”, disse Karla Millene, reforçando:

“Não posso deixar de acompanhar Sebastião Oliveira e Waldemar Oliveira, pois pertenço ao grupo deles e tenho muito orgulho de fazer parte desse time incansável que luta por uma Serra Talhada e por um sertão melhor, com mais saúde e dignidade para todos os sertanejos. Meu muito obrigada a todos que confiaram  no meu trabalho.
Veja também:   Chuva muda paisagem de Serra Talhada nesta 3ª;