Do Folhape

 Foto: Divulgação/SES-PE

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) promoveu, nesta segunda-feira (13), reunião da Comissão Intergestora Bipartite (CIB) junto aos municípios pernambucanos para discutir e pactuar a utilização da dose de reforço de vacinas contra a Covid-19 (3ª dose), que deve ser direcionada para idosos acima de 70 anos e imunossuprimidos graves.

Também ficou definida uma grande mobilização para aplicação da segunda dose em todo o Estado, com o objetivo de ampliar o número de pessoas com o esquema vacinal completo.

Segundo o titular da pasta, André Longo, mais de 600 mil doses, de diferentes fabricantes, estão em atraso. O “Dia D” será 25 de setembro.

“Essa convocação juntos às cidades é fundamental para que possamos avançar conjuntamente na imunização em nosso Estado e garantir a continuidade do esquema. A proposta é que os municípios realizem já a partir da próxima semana suas ações estratégicas que devem culminar com o Dia D, impulsionando nossa cobertura de segunda dose”, destaca o secretário estadual de Saúde, alertando ainda sobre a presença da variante Delta: “Não podemos esquecer, ainda, da presença do vírus da variante Delta em circulação no nosso Estado”.

Na última sexta-feira (10), inclusive, a SES-PE confirmou a primeira morte de um pernambucano com comprovação laboratorial de infecção pela variante Delta – um idoso de 75 anos.

Para administração de reforço de vacinas contra a Covid-19 (3ª dose), a estratégia a ser adotada, inicialmente, é a aplicação em todos os idosos acima de 70 anos.

Esse reforço deve ser feito seis meses após a última dose do esquema vacinal (segunda dose ou dose única), independentemente do imunizante aplicado.

Para os idosos que vivem Instituições de Longa Permanência, a vacinação já pode ser realizada acima dos 60 anos.

Outro grupo a ser beneficiado são os indivíduos com alto grau de imunossupressão (transplantados, pessoas vivendo com HIV/Aids, indivíduos que realizam quimioterapia, além de pacientes em hemodiálise). Neste grupo, o intervalo para a dose de reforço deverá ser de 28 dias após a última dose do esquema básico.

A vacina a ser utilizada para a dose adicional deverá ser, preferencialmente, Pfizer/BioNTech ou, de maneira alternativa, Janssen ou AstraZeneca/Oxford/Fiocruz.