Perguntado pela PF se é cisgênero, Bolsonaro diz que não sabe
Bolsonaro – Foto: Carolina Antunes/PR

Por Revista Forum

O ex-presidente Jair Bolsonaro ficou calado durante todo o depoimento que foi intimado a prestar à Polícia Federal (PF), em Brasília, nesta quinta-feira (22). Uma única pergunta, entretanto, foi respondida pelo ex-mandatário.

Logo no início da oitiva, o delegado da PF que inquiriu Bolsonaro teria perguntado se o ex-presidente é “cis”, em referência ao termo “cisgênero”. As informações são de Igor Gadelha, colunista do site Metrópoles.

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)

Em resposta, então, o ex-mandatário teria dito que não sabe o que é cisgênero. Trata-se do termo utilizado para se referir às pessoas que se identificam com o sexo biológico que nasceram – enquanto “transgênero” se refere àquelas que se identificam com um gênero diferente do atribuído no nascimento.

Veja também:   MEMÓRIAS: Em tempos de crise e de dúvidas, não custa muito lembrar dos bons exemplos

A pergunta feita pelo delegado é padrão. A PF adotou o procedimento, que consiste em apresentar os termos “cisgênero, transgênero”  e oferecer o campo “orientação sexual” àqueles que precisam fornecer dados pessoais em depoimentos, em janeiro, seguindo diretrizes adotadas pelo governo Lula para políticas LGBTQIA+.

Silêncio 

O ex-presidente Jair Bolsonaro compareceu à sede da Polícia Federal (PF) em Brasília, nesta quinta-feira (22), para prestar depoimento no âmbito do inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) que investiga uma tentativa de golpe de Estado no Brasil. Segundo a PF, Bolsonaro integraria uma organização criminosa que tentou – sem sucesso – reverter o resultado da eleição de 2022 que alçou o presidente Lula ao Palácio do Planalto.

Veja também:   Aniversário de ST marcado por homenagens ao prof. Nestor

Conforme já havia anunciado, o ex-mandatário, que tentou por duas vezes cancelar o depoimento, se acovardou e ficou calado diante dos investigadores. A estratégia também seria utilizada por outros investigados no inquérito, incluindo militares, que prestaram depoimento no mesmo dia.

O anúncio de que Jair Bolsonaro manteve o silêncio durante o interrogatório foi feito ao final da oitiva pelo advogado do ex-presidente, Paulo Bueno. Segundo o defensor, o fato do ex-mandatário inelegível ter ficado calado “não é simplesmente o exercício do direito constitucional do silêncio, mas uma estratégia baseada no fato de que a defesa não teve acesso a todos os elementos aos quais estão sendo imputados ao ex-presidente as práticas de delitos”.

Veja também:   Corpo de Dona Marisa Letícia é velado no Sindicato dos Metalúrgicos no ABC Paulista

Ao negar um dos pedidos dos advogados de Bolsonaro para cancelar ou adiar o depoimento, o ministro Alexandre de Moraes, do STF, os desmentiu, afirmando que eles já tiveram acesso a todo o conteúdo das investigações.

“Informe-se a Polícia Federal que inexiste qualquer óbice para a manutenção da data agendada para o interrogatório uma vez que aos advogados do investigado foi deferido integral acesso aos autos”, escreveu o ministro em despacho.