Major Wamberg durante o programa Falando Francamente

Publicado às 05h52 desta sexta-feira (10)

O Major Wamberg, do Corpo de Bombeiros de Serra Talhada, foi o convidado do programa Falando Francamente, na TV Farol, nessa quinta-feira (9), e na oportunidade comentou sobre o crescimento de queimadas na zona rural e casos de incêndios em vegetação nos bairros de Serra Talhada. Segundo ele, a maioria dos casos não são acidentais, mas provocados por ação humana. Em caso de flagrante, o suspeito é conduzido a Delegacia de Polícia e pode responder na justiça.

“Quando é identificado, esse caso a gente não conseguiu identificar, o pessoal comenta, mas um exemplo que aconteceu aqui na Mata da Pimenteira, houve uma investigação da Polícia Civil, do IBAMA e se descobriu que se iniciou uma senhora que mora próximo à reserva ateando fogo em lixo e ela é responsabilizada. Um caso real, esse final de semana, por trás do nosso quartel, próximo à Cadeia Pública, é uma área descampada, por incrível que pareça eu estava em serviço, e encontrei uma senhora com um menino com uma caixa de fósforo ateando fogo, acionamos a Polícia Militar, a guarnição foi até o local para apagar o incêndio e a polícia encaminhou para a delegacia por está ateando fogo”, disse o Major Wamberg, sem esconder a preocupação.

“Tem a parte de crime ambiental e também na lei de proteção ambiental em matas ou florestas, a previsão da responsabilidade criminal, no caso penal, sobre as ações de atear fogo porque eu posso expor a riscos a terceiros, quando eu ateio fogo num terreno baldio na rua, ‘não, mas o terreno é meu e faço o que quiser,’ não é bem assim não, porque quando eu ofereço risco a terceiros, com aquele fogo que eu ateei, pode pegar no patrimônio dele, ou também expor a residência dele porque geralmente aqui em Serra Talhada, na maior parte das construções, os terrenos são encostados a outros, ou seja, não há limite de corredores, toco fogo no terreno, já aparece na sala do camarada aí por uma transmissão de calor, eu tenho uma cortina ou um quadro que vai enfraquecer em razão da conduta de um indivíduo que é dono do terreno que ateou fogo e não se procede assim”, reforçou.

Veja também:   O lago da Borborema e o histórico Bar Flutuante em ST