Do CNN

A Polícia Civil do Paraná descartou, nesta sexta-feira (15), motivação política no assassinato do guarda municipal e militante petista Marcelo Arruda no último fim de semana.

O agente penitenciário federal Jorge José da Rocha Guaranho, acusado pelo crime, foi indiciado por homicídio qualificado por motivo torpe e por causar perigo comum.

O caso

Na noite de sábado (9), o guarda municipal Marcelo Arruda teve a festa de aniversário invadida pelo agente penitenciário federal Jorge José da Rocha Guaranho. Arruda era membro da diretiva do Partido dos Trabalhadores (PT) em Foz do Iguaçu (PR) e tinha a decoração da festa de comemoração dos seus 50 anos em homenagem ao ex-presidenteLuiz Inácio Lula da Silva e ao PT.

Veja também:   Como descobrir se os Correios estão com seu cartão do Auxílio Brasil?

Segundo relatos de quem estava presente, Guaranho foi até o local gritando o nome do presidente Jair Bolsonaro (PL). Foi pedido que ele deixasse o local e ele avisou que voltaria. Arruda foi então até seu carro e pegou sua arma. Cerca de 10 minutos depois, Guaranho voltou e atirou em Arruda, que conseguiu revidar e atirar nele também. O aniversariante morreu, enquanto Guaranho foi encaminhado ao hospital em estado grave.

O secretário de segurança pública de Foz do Iguaçu, Marcos Jahnke, confirmou à CNN que o crime foi motivado por divergências políticas.

Em nota, o PT afirma que Marcelo Arruda foi assassinado por um bolsonarista. Destacou ainda que Marcelo era guarda municipal e um grande militante do PT, tendo sido candidato a vice-prefeito em Foz do Iguaçu nas eleições de 2020.

Veja também:   Demissões e assédio são queixas da categoria

O PL informou que não vai se manifestar sobre o caso e que não tem a informação se Jorge José da Rocha Guaranho é filiado ao partido.

“Na madrugada recebemos a informação de que havia tido um confronto armado entre o guarda municipal Marcelo Arruda e agente penal federal devido a divergências políticas. Marcelo estava comemorando 50 anos em uma festa na qual ele fez decoração alusiva à convicção política dele favorável ao ex-presidente Lula e em determinado momento chegou o agente penal federal de maneira isolada manifestando sua convicção política em favor do presidente Bolsonaro. Afrontou o aniversariante que pediu que ele saísse, que era uma festa particular. O agente saiu, mas voltou depois armado efetuando disparos que atingiu o guarda, mas mesmo ferido sacou a arma e atingiu também com gravidade o agente penal que está hospitalizado no hospital municipal.”

Veja também:   Pronaf disponibilizará R$ 60 bi para financiar Plano Safra 2022/23