Policial Civil mata PM em briga por vaga em PE

Do JC Online / Foto: Michel Carvalho / JC Online

Após mais de 24 horas mantendo mistério, a Polícia Civil de Pernambuco revelou que o policial civil que matou um cabo reformado da PM numa briga por vaga de estacionamento prestou depoimento e foi autorizado a responder pelo crime em liberdade. O caso aconteceu na manhã do último domingo (5) ao lado de um atacarejo, no bairro do Cordeiro, Zona Oeste do Recife.

A discussão ocorreu por volta das 6h40. Imagens de câmeras de segurança, obtidas pelos investigadores, mostram que a vítima e o assassino chegaram a entrar em luta corporal.

Veja também:   No Ipsep, moradores afirmam que tem rua esquecida e sem serviços

O PM foi identificado como o cabo reformado Albino Ferreira Ferro Neto, de 38 anos, atingido no abdome. A Polícia Civil alegou, somente nesta segunda-feira (6), que o autor pelo tiro, um comissário de 64 anos, prestou socorro à vítima, que foi encaminhada ao Hospital Getúlio Vargas, mas não resistiu.

No local, testemunhas não quiseram passar informações por medo de represálias. Uma equipe do Instituto de Criminalística realizou perícia no local e também recolheu a arma de fogo do PM para exames.

O caso está sob investigação do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Veja também:   Vereadores criam novo auxílio-combustível para si

“O autor se apresentou espontaneamente à delegacia para esclarecimentos e procedimentos cabíveis. O homem responde ao inquérito policial em liberdade em função dos dispositivos legais”, disse a nota da Polícia Civil, sem revelar o nome do suspeito.

A Polícia Civil também não informou qual foi a versão dada pelo policial civil sobre o caso. Além disso, não disse se a arma usada pelo suspeito foi entregue para perícia.

ENTERRO DO PM

O enterro do corpo do policial militar aconteceu no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, na tarde desta segunda-feira. Mais cedo houve uma cerimônia, sem a presença da imprensa.

Veja também:   Variante ômicron do coronavírus é 'muito transmissível'

No local, testemunhas não quiseram passar informações por medo de represálias. Uma equipe do Instituto de Criminalística realizou perícia no local e também recolheu a arma de fogo do PM para exames.

Em publicação nas redes sociais, a Associação Pernambucana de Cabos e Soldados, Policiais e Bombeiros Militares lamentou a morte do cabo reformado.

“É com extremo pesar que a ACS-PE e toda a sua diretoria solidarizam-se com familiares, amigos e companheiros de farda deste eterno guerreiro”, disse o comunicado.