Prefeitura desconta consignados, mas não repassaPublicado às 04h50 desta sexta-feira (10)

Nesta quarta-feira (08), uma funcionária pública, que integra o quadro de servidores efetivos do município de Serra Talhada, esteve na redação do Farol para denunciar que há três meses a Prefeitura não tem feito o repasse dos pagamentos para as agências bancárias que os servidores mantêm empréstimos consignados. A funcionária, que não quer ter a identidade revelada por medo de represálias, conta que a parcela bancária é descontada na folha de pagamento mensalmente.

Vivendo uma situação inesperada e constrangedora, a servidora relatou ao Farol que, na semana anterior, recebeu um comunicado do banco informando a pendência de três meses, e que caso o pagamento não fosse efetuado, ela teria o nome negativado e incluído ao SPC (Serviço de Proteção ao Crédito). Ao receber a cobrança, foi até a agência na última quinta-feira (02), e recebeu a confirmação que a prefeitura não estaria fazendo os repasses ao banco, apesar do valor ser descontado mensalmente em sua folha de pagamento. Nesta quarta-feira (08), retornou à agência e foi informada que a dívida continua pendente. 

Veja também:   Sec. de Educação explica atraso no salário de estagiários em ST

“A Prefeitura de Serra Talhada desconta os consignados, e está há três meses em atraso com os bancos. O nosso pagamento vem descontado, mas não estão repassando para o banco; por conta disso, os consignados estão bloqueados. Agora tem a margem nova, por conta do aumento de salário, e não podemos renovar porque está bloqueado”, lamentou a servidora, acrescentando: 

“Estou recebendo cobranças. Mandaram a mensagem que irão negativar o meu nome se a prefeitura não pagar, recebi o e-mail, e fui ao banco e eles concretizaram, está com três meses que a prefeitura não efetua o pagamento. O servidor não tem a opção de não pagar porque é descontado na folha, e a prefeitura não dá nenhuma justificativa. Vários colegas já procuraram a prefeitura e dizem que vão resolver, mas nada. A maioria dos servidores estão nessa situação, porque você faz um consignado para pagar a terceiro, ou fazer uma feira maior, ou resolver um problema dentro de casa, ou de doença”.

Veja também:   TRABALHO ESCRAVO: MPTE denuncia tráfico de pessoas no Sertão, a 160 Km de ST

O OUTRO LADO

Nesta quarta-feira (08), após ouvir a queixa da servidora, o Farol de Notícias, tentou contato com o secretário de Administração, Renan Pereira, que não respondeu às nossas mensagens e nem atendeu às nossas ligações. Nesta quinta-feira (09), tentamos contato novamente, mas ele não deu retorno.