Primo diz ter estuprado e matado Kemilly após ela “começar a chorar”

Do Metrópoles

Reynaldo Rocha Nascimento, 22 anos, preso por policiais civis no domingo (10/12), suspeito pelo assassinato de Kemilly Hadassa Silva, de 4 anos, confessou, em depoimento, que decidiu matar a menina porque ela começou a chorar depois de ser estuprada.

Para evitar chamar atenção com o choro da vítima, num primeiro momento Reynaldo, que é primo da mãe de Kemilly, começou a cortar o pescoço da criança, mas voltou atrás e decidiu enforcá-la.

Depois, a mãe de Reynaldo o ajudou a esconder o corpo da menina em um saco de ração e jogou no meio do lixo, às margens de um valão, localizado na Beira-Rio, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense (RJ).

Veja também:   Juristas entram com pedido de impeachment de Gilmar Mendes

De acordo com a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), Reynaldo Rocha Nascimento é primo de Suellen da Silva, mãe de Kemilly.

Kemilly Hadassa estava desaparecida desde a madrugada de sábado (9/12), quando dormia com os irmãos de 7 e 8 anos no bairro do Cabuçu, em Nova Iguaçu.

A família logo suspeitou que a menina havia sido sequestrada, mas ninguém havia ouvido gritos ou estranhado a presença de alguém na região.

“Que a justiça seja feita com todos aqueles que apoiaram esse crime. A mãe e a irmã também ajudaram ele, lavaram a casa, mas não adiantou, a perícia pegou”, disse a tia da criança.

Veja também:   Morre menina imprensada por carro alegórico em desfile na Sapucaí

As investigações sobre o crime estão em andamento na Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF).