Da ISTOÉ

Foto: AFP/Arquivos

Após a justiça de Nova York negar a anulação de um processo por abuso sexual de menor, o príncipe Andrew, 62 anos, perdeu todos os seus títulos militares nesta quinta-feira (13).

Com isso, o terceiro filho da rainha Elizabeth II não terá mais as funções ou graus militares honoríficos que detinha e continuará afastado de qualquer atividade pública, como ocorre desde 2019. Oficialmente, Andrew renunciou aos seus títulos em comum acordo com a monarca.

“Com a aprovação e o acordo da rainha, as afiliações militares e os patronatos reais do duque de York foram recolocados nas mãos de Sua Majestade. O duque de York continuará a não desenvolver compromissos públicos e se defenderá no âmbito desse caso como um cidadãos privado”, diz a curta nota do Palácio de Buckingham.

Apesar da afirmação oficial, a decisão ocorre também em um momento de grande pressão de veteranos militares. Nesta quinta, a mídia britânica revelou que uma carta assinada por 150 deles foi enviada para Elizabeth sobre o caso.

“Entendemos que Andrew é seu filho, mas escrevemos à senhora na qualidade de chefe de Estado e comandante-em-chefe do Exército, da Marinha e da Aeronáutica. Essas medidas poderiam ter sido tomadas a qualquer momento nos últimos 11 anos. Por favor, não permita que demore mais tempo”, diz um dos trechos do documento.

Entre os títulos perdidos, está o de coronel do prestigioso departamento das Grenadier Guards, herdado após a morte do pai, o príncipe Phillip.

A decisão foi publicada um dia depois da decisão de um juiz de Nova York, que determinou que deve seguir adiante o processo movido por Virginia Giuffre contra Andrew por abusos sexuais quando ela tinha 17 anos. Ela é uma das vítimas do bilionário Jeffrey Epstein, que se matou na prisão em 2019 após condenação por tráfico sexual de menores, entre outros crimes, e era um grande amigo de Andrew.

Veja também:   Bicheiro preso no Rio de Janeiro tinha ajuda de policiais corruptos

O membro da realeza sempre negou as acusações, mas tentou anular a ação usando como base um acordo firmado em 2009 entre Giuffre e Epstein de que ela não processaria mais ninguém sobre os abusos que sofreu.

Agora, Andrew terá que responder judicialmente ao caso ou fazer um acordo judicial para encerrar o processo. (ANSA).