Da CNN

O príncipe Philip estava “intimamente envolvido” nos planos de seu próprio funeral, de acordo com o âncora da CNN e correspondente real Max Foster. Ele morreu na manhã desta sexta-feira (9), aos 99 anos.

O marido da rainha Elizabeth II queria que suas conquistas militares e seus esforços de conservação fossem refletidos em seu funeral, disse Foster.

Há um plano em vigor para marcar sua morte durante a pandemia do novo coronavírus, tanto sob restrições quanto fora do confinamento.

“Eles não podem ter as procissões por Londres”, explicou Foster. “Eles não podem ter memoriais florais, porque não querem encorajar multidões.”

“Então, o que eu acho que vai acontecer – o que eu presumo que vai acontecer neste momento – é que o corpo será mantido no Castelo de Windsor. A equipe e a família poderão prestar seus respeitos nos próximos dias e então tentarão vir com algum tipo de plano pronto para Covid-19 para um funeral, que acontecerá no Castelo de Windsor.”

O príncipe Philip e a rainha estavam em uma “bolha” com poucos funcionários reais por causa da pandemia, relatou Foster.

“Ele era o principal conselheiro dela, seu confidente. Nos bastidores, também era o patriarca da família, tomando muitas das principais decisões familiares”, disse Foster.